6 fatores que determinam se você se lembra de seus sonhos

Na comunidade científica, os sonhos ainda são um mistério. Muitos experimentos foram realizados e muitas teorias foram apresentadas, mas os pesquisadores ainda não entendem completamente por que ou como sonhamos. Para complicar ainda mais as coisas, está o fato de que todo mundo sonha, mas algumas pessoas nunca se lembram de suas escapadas subconscientes. Reunimos então 6 fatores que determinam se você se lembra ou não de seus sonhos:

ISTOCK

No entanto, as melhorias nas imagens cerebrais e os estudos fisiológicos recentes nos trouxeram um passo mais perto de responder à pergunta de por que algumas pessoas se lembram de seus sonhos mais do que outras.

Não há uma explicação simples e definitiva, “mas há uma série de coisas que se correlacionam”, disse a Dra. Deirdre Leigh Barrett, professora de psicologia da Harvard Medical. Barrett compartilhou alguns dos fatores que podem afetar a lembrança de seus sonhos.

SEXO

As mulheres, em média, se lembram de mais sonhos do que os homens.

Os pesquisadores não têm certeza do porquê, mas Barrett diz que pode ser uma diferença biológica ou hormonal.

Alternativamente, as mulheres podem estar mais cientes de seus sonhos porque tendem a se interessar mais pelos sonhos em geral.

No entanto, Barrett observa que as diferenças entre homens e mulheres em relação à recordação dos sonhos são “modestas” e que há maiores diferenças dentro de cada sexo do que entre os sexos.

Em outras palavras: há muitas mulheres com baixa recordação dos sonhos e muitos homens com alta recordação dos sonhos.

 

Veja também:

Quer dormir melhor? Não pense na insônia

Continue com: 6 fatores que determinam se você se lembra de seus sonhos

IDADE

À medida que envelhecemos, muitas vezes fica mais difícil lembrar de nossos sonhos. Sua capacidade de lembrar dos sonhos melhora no final da infância e na adolescência, e tende a atingir o pico aos vinte anos, diz Barrett.

Depois desse ponto, as pessoas muitas vezes experimentam uma queda gradual na recordação dos sonhos. No entanto, existem exceções e as pessoas às vezes experimentam o oposto.

PERSONALIDADE

Novamente, esta não é de forma alguma uma regra prescritiva, mas parece haver uma correlação entre certos traços de personalidade e alta recordação de sonhos.

“Pessoas com mentalidade mais psicológica tendem a ter maior recordação dos sonhos, e pessoas que são mais práticas e focadas externamente tendem a ter menor recordação”, diz Barrett.

Além disso, uma melhor recordação dos sonhos tem uma “correlação moderada” com uma melhor recordação ao completar certas tarefas de memória durante as horas de vigília, de acordo com Barrett.

QUANTIDADE DE SONO

A quantidade de sono que uma pessoa dorme em média é um dos fatores mais importantes relacionados à lembrança dos sonhos.

As pessoas sonham a cada 90 minutos durante o ciclo de sono REM (movimento rápido dos olhos).

No entanto, esses períodos REM ficam mais longos ao longo da noite, o que significa que você está sonhando mais pela manhã, geralmente logo antes de acordar.

Se você só dorme quatro horas em vez de oito, está tendo apenas cerca de 20 por cento do tempo dos seus sonhos. Por esse motivo, algumas pessoas relatam lembrar mais de seus sonhos no fim de semana, quando têm a chance de pegar no sono.

 

Veja também:

Por que as meias ajudam você a dormir melhor

Continue com: 6 fatores que determinam se você se lembra de seus sonhos

 

ATIVIDADE CEREBRAL

Graças às imagens cerebrais, os cientistas agora têm uma ideia melhor de quais partes do cérebro estão associadas ao sonho.

Uma parte do cérebro que processa informações e emoções é mais ativa em pessoas que se lembram de seus sonhos com mais frequência, de acordo com um estudo de 2014.

Essa região na parte posterior do cérebro, chamada junção temporoparietal (TPJ), pode ajudar as pessoas a prestarem mais atenção aos estímulos externos. Por sua vez, isso pode promover algo chamado vigília durante o sono.

“Isso pode explicar por que os recordadores de sonhos elevados são mais reativos aos estímulos ambientais, despertam mais durante o sono e, portanto, codificam melhor os sonhos na memória do que os recordadores de sonhos baixos”, disse o Dr. Perrine Ruby.

“Na verdade, o cérebro adormecido não é capaz de memorizar novas informações; ele precisa acordar para ser capaz de fazer isso.”

A maior atividade no TPJ e em outra região do cérebro chamada córtex pré-frontal medial também pode “promover a imagem mental e / ou a codificação da memória dos sonhos”, escreveram os pesquisadores no resumo do estudo.

Mais recentemente, em 2017, os pesquisadores descobriram que a alta recordação dos sonhos também está ligada a uma maior atividade na parte frontal do cérebro.

O córtex pré-frontal é a parte do cérebro que lida com o pensamento abstrato, por isso faz sentido que tenha sido vinculado à recordação do sonho e aos sonhos lúcidos (estar ciente de que está sonhando), diz Barrett.

RESPOSTA A ESTIMULOS EXTERNOS

Na mesma linha, as pessoas que se lembram de seus sonhos com mais frequência também tendem a exibir mais atividade cerebral depois de ouvir seu nome falado em voz alta enquanto estão acordadas, de acordo com um estudo de 2013.

Ao ouvir seus nomes, um grupo de “recordadores altos”, que se lembra de seus sonhos quase todas as noites, experimentou uma diminuição maior em uma onda cerebral chamada de onda alfa do que um grupo de “recordadores baixos”, que se lembram de seus sonhos uma ou duas vezes por mês.

Essa diminuição nas ondas alfa é provavelmente precedida por um aumento na atividade cerebral ao ouvir seus nomes.

Essencialmente, as pessoas com maior recordação de sonhos tendem a experimentar atividades em mais regiões do cérebro em resposta aos sons. De acordo com Barrett, pode haver uma explicação evolutiva para isso.

“A evolução quer que tenhamos um sono reparador, mas também quer que acordemos para o perigo, verifiquemos e possamos voltar a dormir rapidamente depois disso”, diz ela.

Pense em todos os perigos com os quais nossos ancestrais pré-históricos tiveram que lidar, e fica claro que essa resposta é importante para a sobrevivência.

Em essência, os recordistas altos estão “provavelmente apenas um pouco mais atentos e vigilantes durante o sonho, o que ajuda a torná-lo uma memória de longo prazo”.

Então, o que você pode fazer para ajudá-lo a se lembrar de seus sonhos?

Pode parecer simples, mas antes de ir para a cama, pense consigo mesmo: “Vou me lembrar dos meus sonhos esta noite.” O próprio ato de pensar sobre sonhar pode fazer uma grande diferença.

“Você poderia dizer que apenas ler este artigo tem mais probabilidade de fazer você se lembrar de um sonho esta noite”, diz Barrett. “Pessoas que estão tendo aulas sobre sonhos ou lendo um livro sobre sonhos – qualquer intervenção de curto prazo para prestar mais atenção neles – tende a criar um sinal de curto prazo na recordação dos sonhos.”

Quando você acordar, não faça nada, exceto deitar na cama e tentar se lembrar de quaisquer sonhos que você teve.

Se algo voltar para você, escreva ou use um gravador de voz para cristalizar seus pensamentos. Os sonhos ainda estão em sua memória de curto prazo quando você acorda, então eles são frágeis e fáceis de esquecer.

Se você não se lembra de nada, Barrett diz que ainda é útil avaliar como você se sente ao acordar.

Você está feliz, triste ou ansioso? “Às vezes, se você apenas ficar com qualquer emoção ou um pouco de conteúdo com que acordou”, diz ela, “um sonho voltará correndo”.