Sponsored Links

Juliane Koepcke: A garota que caiu de um avião e sobreviveu à floresta tropical

Juliane Koepcke tinha dezessete anos e estava desesperada para chegar em casa.

Ela tinha acabado de se formar no ensino médio em Lima e estava voltando para sua casa na estação de pesquisa biológica de Panguana, que seus pais fundaram, nas profundezas da floresta amazônica, cerca de 150 km ao sul de Pucallpa. Ela morava em Panguana, intermitentemente, havia três anos com sua mãe, Maria, e seu pai, Hans-Wilhelm Koepcke, ambos zoólogos.

O voo deles era na véspera de Natal de 1971, e o avião já estava com sete horas de atraso.

Era pouco antes do meio-dia quando Juliane Koepcke e sua mãe finalmente embarcaram no voo. O voo para Pucallpa deveria durar menos de uma hora.

Cerca de 25 minutos após a decolagem, o voo LANSA 508 voou em uma área de tempestades e turbulência severa e o avião começou a tremer violentamente.

Os compartimentos superiores se abriram, enchendo passageiros e tripulantes com bagagens e presentes de Natal. O avião poderia ter voltado, mas havia pressão para cumprir a programação do feriado, e assim os pilotos continuaram a voar.

Juliane Koepcke
Juliane Koepcke retorna ao local do acidente em 1998.

Após cerca de dez minutos de tremores, Juliane Koepcke viu um relâmpago muito forte atingir a asa esquerda. Ela ouviu sua mãe dizer: “É o fim, está tudo acabado”. Imediatamente depois, o avião começou a mergulhar.

“Estava escuro como breu e as pessoas estavam gritando, então o rugido profundo dos motores encheu minha cabeça completamente”, lembra Juliane.

Quando o avião caiu, ele se partiu, separando-a de todos os outros a bordo. A próxima coisa que ela soube foi que ela estava ao ar livre, ainda presa ao seu assento e caindo para a selva abaixo.

“Eu podia ver o dossel da selva girando em minha direção. Então perdi a consciência e não me lembro de nada do impacto”, disse ela.

Quando ela acordou no dia seguinte, ela se viu cercada por uma folhagem densa. Não havia mais ninguém.

O avião estava voando a uma altitude de 21.000 pés quando se deparou com a tempestade. Ele se partiu a cerca de 10.000 pés, e ela caiu dessa altura. Sua sobrevivência foi milagrosa. Até mesmo seus ferimentos – uma clavícula quebrada, um joelho torcido e alguns cortes nos ombros e nas pernas – eram menores.

“Fiquei lá, quase como um embrião pelo resto do dia e uma noite inteira, até a manhã seguinte”, escreveu ela em seu livro de memórias When I Fell From the Sky, publicado em 2011. “Estou completamente encharcada, coberta com lama e sujeira, pois deve ter chovido por um dia e uma noite”.

Estávamos no meio da estação chuvosa, então não havia frutas ao alcance para colher nem galhos secos para fazer uma fogueira.

Juliane Koepcke
Juliane Koepcke com seus pais.

Apesar de sua situação precária, Juliane não sentiu medo, apenas “uma sensação de abandono sem limites”. Tendo passado três anos com seus pais em sua estação de pesquisa, Juliane aprendeu muito sobre a vida na floresta tropical. “Reconheci os sons da vida selvagem de Panguana e percebi que estava na mesma selva”, disse ela.

Seu pai havia ensinado Juliane a sobreviver caso ela se perdesse na inóspita vegetação rasteira. “Sempre procure um riacho”, seu pai havia dito. “Siga a corrente até um rio. Os rios são as estradas dos índios Konibo, Shipibo e Cacataibo, dos lenhadores e dos fazendeiros.

Se você se perder na selva, os rios podem ser sua única esperança de chegar à civilização.” Assim, armando-se com uma vara para afastar cobras venenosas, Juliane Koepcke começou a procurar um rio.

Juliane estava com um minivestido muito curto e sem mangas e sandálias brancas. Ela havia perdido os óculos sem os quais mal conseguia enxergar. Ela também perdeu um sapato, mas guardou o outro para testar o terreno à sua frente enquanto caminhava.

A primeira coisa que Juliane Koepcke fez foi procurar a mãe nas proximidades do acidente. Mas ela não conseguiu encontrar detritos.

A uma curta distância, ela encontrou um pequeno pacote que havia caído do avião dentro do qual havia alguns brinquedos e um pedaço de bolo de Natal. Ela tentou comer o bolo, mas estava saturado de água da chuva. Mas havia um saquinho de doces no pacote de Natal. Ela o comeu.

Juliane Koepcke
Juliane e sua mãe invadem a floresta tropical em 1959.

A selva estava cheia de perigos. Aranhas e cobras venenosas se escondiam entre a folhagem. No ar havia moscas e mosquitos. Havia frutas e bagas deliciosas penduradas tentadoramente nas árvores próximas, mas Juliane evitou qualquer coisa que não reconhecesse porque poderiam ser venenosas.

Juliane Koepcke logo encontrou uma pequena fonte e começou a segui-la, esperando que eventualmente levasse a um rio.

No quarto dia, ela encontrou os primeiros destroços do acidente – um banco com três passageiros que bateram de cabeça na terra. A visão dos cadáveres enviou um arrepio na espinha.

A falta de comida, o calor, as incessantes picadas dos mosquitos e as feridas começavam a arrastá-la para baixo.

Sua clavícula, quebrada no desastre, estava se tornando cada vez mais dolorosa a cada dia. A ferida no pé tornava a caminhada mais difícil à medida que os dias passavam lentamente.

Mas ainda assim Juliane Koepcke insistiu.

O rio estava ficando mais largo e fluindo mais rapidamente. No 10º dia, ela tropeçou na beira de um grande rio. Lá ela encontrou um pequeno barco ancorado na margem do rio, e perto do barco havia um caminho que levava a uma pequena cabana. Não havia ninguém dentro.

Ela encontrou um galão de gasolina e o usou para prestar primeiros socorros em seus ferimentos. Ela se lembrou de seu pai tratando uma infecção por larvas em seu cachorro com querosene e tentou o mesmo em suas feridas com gasolina.

Assim que ela derramou gasolina em suas feridas, dezenas de vermes saíram rastejando dela. Ela tirou cerca de trinta larvas de seus cortes e se sentiu imensamente orgulhosa de si mesma.

Juliane Koepcke
Juliane Koepcke após sua provação.

Naquela noite ela dormiu nas tábuas nuas da cabana. Na manhã seguinte, ela pretendia continuar descendo o rio, mas como estava chovendo forte, decidiu descansar um pouco. Essa chuva salvou sua vida.

Poucas horas depois, um grupo de pescadores entrou invadindo a cabana e foi pego de surpresa pela visão de uma mulher branca abatida coberta de feridas e quase morta. Os homens trataram suas feridas e lhe deram algo para comer. No dia seguinte, eles a levaram de barco até a vila mais próxima, e de lá ela foi transportada de avião para um hospital.

Juliane Koepcke passou onze noites na floresta amazônica. Ela foi a única sobrevivente do voo.

Depois de sua experiência angustiante, Juliane voltou para a Alemanha de onde seus pais vieram. Assim como seus pais, Koepcke se formou em biologia e retornou ao Peru para fazer uma extensa pesquisa sobre mamíferos, especialmente morcegos.

Sua história de sobrevivência foi tema de um filme italiano de 1974 chamado Miracles Still Happen, e um documentário do diretor Werner Herzog chamado Wings of Hope (Juliane Cai na Selva). Em 2011, ela publicou sua própria autobiografia, When I Fell From the Sky.

Agora casada com Erich Diller, um entomologista especializado em vespas parasitas, Juliane Diller agora lidera a conservação fundada por seus pais.

Panguana é hoje a estação de pesquisa biológica mais antiga do Peru. A reserva abriga mais de 500 espécies de árvores, 160 tipos de répteis e anfíbios, 100 tipos diferentes de peixes, sete variedades de macacos e 380 espécies de aves.

Leia também:

Turista perdido diz que macacos o salvaram na Amazônia

Temporal em Petrópolis, RJ e records de chuvaExpulsos do Big BrotherCuriosidades – GTA V