Sponsored Links

As famosas “cidades dos gêmeos”

A Universidade do Texas estima que 32 em cada 1.000 pessoas neste mundo são gêmeos ou 16 pares em 1.000, o que se traduz em 3% da população. Este número parece variar por região, raça e etnia. Certos grupos étnicos produzem mais gêmeos do que o “normal”. Outros produzem menos.

Enquanto os pesquisadores concordam que gêmeos idênticos acontecem por puro acaso, ter gêmeos fraternos é hereditário.

Se outra pessoa em sua família teve gêmeos fraternos, é mais provável que você dê à luz gêmeos fraternos. Se a própria mãe é gêmea fraterna, a chance de conceber gêmeos aumenta quatro vezes.

Esses fatores fazem com que os gêmeos geralmente funcionem em famílias e em certos grupos étnicos como um todo. De fato, raça e etnia parecem desempenhar um papel importante na geminação.

Por exemplo, nos EUA, gêmeos são mais comuns entre afro-americanos (36,8 por 1.000) e menos comuns em hispânicos/latino-americanos (21,8 por 1.000).

gêmeos
Um par de meninas gêmeas na “cidade dos gêmeos” de Kodinhi, na Índia. Crédito da foto

A maior taxa de nascimentos de gêmeos foi observada entre a comunidade iorubá no sudeste da Nigéria, centrada em uma cidade agrícola sonolenta chamada Igbo-Ora.

Até 45 a 50 pares de gêmeos nascem aqui por 1000 nascidos vivos. Em outras palavras, quase 10% da população são gêmeos. O número extraordinariamente grande de nascimentos de gêmeos na região rendeu à cidade o apelido de “Capital Gêmea do Mundo”.

Embora ninguém tenha conseguido provar clinicamente, pesquisas sugerem que os nascimentos múltiplos podem estar relacionados aos hábitos alimentares das mulheres da região.

É possível que o alto consumo de um tipo específico de inhame contendo um produto químico natural possa estimular os ovários a liberar um óvulo de cada lado. Mas então, o grande número de gêmeos nascendo aqui também pode ser uma simples questão de genética.

De qualquer forma, para essa comunidade predominantemente rural, isso não importa. Os nascimentos múltiplos são celebrados aqui e, ao longo das gerações, têm sido considerados uma bênção de Deus. Muitas mulheres grávidas em Igbo-Ora desejam partos múltiplos.

gêmeos
Crédito da foto

Igbo-Ora não é a única cidade onde você encontrará uma taxa de natalidade de gêmeos distorcida. Na cidade brasileira de Cândido Godoi, perto da fronteira com a Argentina, ocorre um fenômeno semelhante.

A taxa de gemelaridade em Cândido Godoi é de 10%, significativamente superior à taxa geral de 1,8% para o estado do Rio Grande do Sul e a taxa nacional de gemelaridade.

Os nascimentos de gêmeos foram observados desde o início do século XX, quando os primeiros colonos incluíam dezessete pares de gêmeos, e foram observados por várias gerações desde então. A população é em grande parte de ascendência polonesa ou alemã, com muitos ancestrais rastreando a região de Hunsrück da Alemanha, que tem uma taxa de geminação acima da média.

Durante décadas, os pesquisadores lutaram para explicar a alta concentração de gêmeos. Então, em 2009, o historiador argentino Jorge Camarasa propôs uma teoria bizarra em seu livro Mengele: The Angel of Death in South America.

Josef Mengele foi um notório médico nazista que conduziu experimentos com gêmeos no campo de concentração alemão em Auschwitz. Sua tarefa era realizar experimentos para descobrir o segredo por trás dos nascimentos de gêmeos para que seu mestre, Adolf Hitler, pudesse usá-lo para aumentar artificialmente a população ariana.

Quando os Aliados começaram a se aproximar do regime nazista alemão, Mengele fugiu para a América do Sul. Jorge Camarasa sugeriu que Mengele continuasse a realizar experimentos com mulheres enquanto fugia na América do Sul, disfarçando-se de médico e veterinário ambulante.

Presumivelmente, Mengele havia decifrado com sucesso o código gêmeo que levou ao aumento da população da cidade.

Tal especulação foi contestada por historiadores locais que dizem que Mengele não estudou gêmeos durante seu tempo no Brasil, e a alta frequência de gêmeos é anterior à chegada de Mengele à América do Sul.

Os pesquisadores também descobriram uma ligação genética e possivelmente a endogamia como a explicação mais provável para a alta frequência de gêmeos.

As famosas “cidades dos gêmeos”
Mariara e Maira Kotowski, de Candido Godoi. Crédito da foto

Outra cidade que deseja se declarar a “Cidade dos Gêmeos” é Buzim, no noroeste da Bósnia. Esta cidade de 20.000 habitantes é o lar de mais de 200 pares de gêmeos. Ao contrário de Igbo-Ora e Cândido Godoi, os moradores de Buzim querem aproveitar a extraordinária taxa de geminação da cidade e transformá-la em atração turística.

Segundo a Reuters, o fenômeno foi descoberto pela primeira vez pelo jornalista local Nedzib Vucelj quando sua esposa deu à luz gêmeos durante a guerra civil de 1992-95.

Vucelj soube que pelo menos 21 pares de gêmeos nasceram na cidade durante o mesmo período, o que lhe pareceu incomum. Então ele lançou uma página no Facebook para tentar descobrir outros gêmeos da cidade. Até agora, ele identificou pelo menos 200 pares de gêmeos.

Buzim é principalmente uma comunidade patriarcal com tradição de famílias numerosas e possível endogamia, o que pode ter ajudado a persistir tais genes.

gêmeos
Gêmeos de Buzim. Crédito da foto

No leste, o fenômeno gêmeo é visto na vila de Kodinhi, no estado de Kerala, na Índia, onde há 250 pares de gêmeos registrados oficialmente. Esta é uma aldeia de apenas 2.000 famílias.

Somente em 2008, 15 pares de gêmeos nasceram na aldeia de 300 partos saudáveis ​​e a taxa de gemelaridade vem aumentando ano a ano. Só nos últimos cinco anos (antes de 2009) nasceram até 60 pares de gêmeos. A taxa de geminação é ainda mais notável quando se considera que o subcontinente indiano tem uma das menores taxas de nascimento de gêmeos.

As famosas “cidades dos gêmeos”
Gêmeos posam para fotografia na vila de Kodinhi, na Índia. Crédito da foto

 

Leia também:

Trigêmeos separados para um experimento científico cruel

 

Temporal em Petrópolis, RJ e records de chuvaExpulsos do Big BrotherCuriosidades – GTA V