Titanoboa: cobra MONSTRO vivendo na Amazônia

Titanoboa: cobra MONSTRO vivendo na Amazônia, nas profundezas da selva sul-americana, uma enorme cobra uma vez perseguiu sua presa.

Depois de se esgueirar cada vez mais perto de um animal desavisado, o caçador silencioso atacaria em um flash e quebraria o pescoço de sua vítima em um movimento rápido. Sua presa nem ouviu Titanoboa vindo em meio à cacofonia da selva pré-histórica de 60 milhões de anos atrás. Nenhum animal teve chance.

Conheça Titanoboa: cobra MONSTRO vivendo na Amazônia

Titanoboa, a enorme serpente da lenda, prosperou nas selvas tropicais da América do Sul cerca de cinco milhões de anos após a extinção dos dinossauros. A morte dos répteis gigantes deixou um vácuo no topo da cadeia alimentar, e Titanoboa alegremente se apresentou.

Esta espécie pré-histórica cresceu até 15 metros de comprimento e pesava até 1.200 quilos. É tão longo quanto um semirreboque que você vê nas rodovias e cerca de duas vezes mais pesado que um urso polar. Em seu ponto mais grosso, Titanoboa tinha um metro de largura, que é mais comprido que um braço humano.

Titanoboa em exibição. Veja os humanos ao fundo para uma comparação de tamanho.

 

Veja também:

6 fatos surpreendentes sobre quokkas – o animal mais feliz do mundo

Continue com Titanoboa: cobra MONSTRO vivendo na Amazônia

 

Na selva quente e úmida, Titanoboa se encaixava perfeitamente: sua pele morena camuflou-a perfeitamente enquanto ela se esgueirava pelas águas lamacentas.

Alguns cientistas pensam que matou constringindo e asfixiando sua presa, enquanto outros argumentam que, embora se parecesse com uma jibóia (a semelhança que lhe deu o nome), ele se comportava como uma sucuri, espreitando na parte rasa e emboscando animais desavisados ​​com um golpe.

O que aconteceu a seguir, os cientistas concordam: a grande cobra engoliu sua presa gigante inteira – e se você tivesse a experiência aterrorizante de olhar para a boca de Titanoboa, você não seria exceção. Isso poderia matá-lo antes mesmo de você ter a chance de gritar.

Descobrindo um Monstro

Titanoboa é uma descoberta chocantemente recente. A história de seu reaparecimento começou em 2002, quando um estudante descobriu uma folha fossilizada em uma visita à enorme mina de carvão em Cerrejón, na Colômbia.

A descoberta foi intrigante: sugeria que uma vez, a área tinha sido o lar de uma selva extensa. Um estudo adicional revelou que o fóssil pertencia à era Paleoceno – o que significa que a mina pode ter sido o local de uma das primeiras florestas tropicais do mundo.

Mais escavações revelaram espécimes notáveis: tartarugas gigantes e crocodilos, e algumas das primeiras bananas, abacates e pés de feijão que já brotaram no planeta Terra.

Eles também descobriram uma vértebra enorme – uma vértebra grande demais para pertencer a qualquer serpente da selva já registrada. Foi uma descoberta incrível e os pesquisadores imediatamente começaram a vasculhar as minas em busca de mais fragmentos do titã da selva.

Sua teoria de trabalho era que a enorme cobra à qual pertencia a vértebra havia sido pega em um deslizamento de terra que a enterrou. Milhões de anos e dezenas de metros de rocha depois, o osso tornou-se parte de ricos campos de carvão – o que significava que poderia haver outros por perto.

A emoção deles era palpável:

Titanoboa: Cobra Monstro

 

Veja também:

A Formiga Drácula é 5.000 vezes mais rápida do que um piscar de olhos

Continue com Titanoboa: cobra MONSTRO vivendo na Amazônia

 

A caça ao crânio

Um achado específico, entretanto, era improvável. Embora eles possam descobrir mais vértebras, seria necessário um crânio para mostrar a eles do que a enorme serpente era realmente capaz – e crânios de cobra fossilizados são notoriamente difíceis de encontrar.

O problema é que as mandíbulas das cobras são tornadas poderosas por seus músculos, não por seus ossos – seus crânios são na verdade extremamente frágeis e geralmente se desintegram antes que os sedimentos se acumulem sobre eles. Como resultado, eles geralmente não fazem parte do registro fóssil.

Mas, surpreendentemente, ao longo dos próximos anos, a equipe descobriu os restos de 28 enormes serpentes e não um, mas três fragmentos de crânio, permitindo-lhes juntar uma réplica em escala real de uma cobra tão grande e tão assustadora que não deixou dúvidas sobre seu lugar nas novas selvas do mundo.

Mesmo entre as enormes criaturas da antiga floresta tropical, Titanoboa era o rei: era o predador ápice de sua época, uma criatura tão indiscutivelmente governante de seu ambiente quanto o Tiranossauro Rex em sua própria época.

Seu domínio surpreendente levou alguns a se perguntar – o que teria acontecido se Titanoboa não tivesse sido extinta?

Titanoboa muda nossa compreensão da paisagem pré-histórica

Para demonstrar o quão grande Titanoboa poderia ficar, o Smithsonian montou uma exposição na Grand Central Station em Nova York em 2012. O vídeo apresentada a morte de um T-Rex por uma Titanoboa:

A campanha publicitária certamente chamou a atenção das pessoas. Foi tudo parte da preparação para um especial do Smithsonian Channel sobre a descoberta espetacularmente rara, e mostrou o quão grandes criaturas pré-históricas podem ser comparadas aos animais de hoje.

As dimensões surpreendentes de Titanoboa foram o resultado de seu clima quente. Os fósseis de plantas sugerem que a temperatura de seu habitat na selva era em média de 90 graus úmidos – e pode muito bem ter sido mais quente.

Animais ectotérmicos dependem de fontes externas de calor para obter energia. Se estiver frio, eles estão lentos. Somente quando está quente eles podem operar com todo o seu potencial.

Se estiver sempre quente, o metabolismo de uma criatura de sangue frio funcionará com eficiência máxima – permitindo que dediquem essa energia extra para crescer e sustentar um corpo maior.

Embora os cientistas tenham debatido os méritos da teoria (se for verdade, alguns argumentam, por que os lagartos de nossas selvas mais quentes hoje não são tão massivos?), Não há como negar que Titanoboa era enorme.

Simplesmente não tem igual entre as cobras modernas.

Até a descoberta de Titanoboa, o maior fóssil de cobra já encontrado tinha 10 metros e pesava 455 quilos. Era Gigantophis, uma cobra que viveu há 20 milhões de anos na África.

A maior espécie de cobra hoje é a sucuri gigante, que pode atingir cerca de 4,5 metros de comprimento – menos de um terço do tamanho de uma Titanoboa média. As sucuris raramente alcançam mais de 6 metros de comprimento ou pesam mais de 225 quilos. Esses gigantes contemporâneos, que são terríveis o suficiente para serem vistos na natureza, são pálidos em comparação com seus ancestrais mortos há muito tempo.