Por que existem nomes diferentes para o mesmo país?

Para nós, o país europeu que deu ao mundo os Volkswagens, os Scorpions e a Segunda Guerra Mundial é a Alemanha. Mas na Alemanha, eles chamam o lugar de Deutschland. Os espanhóis chamam a Alemanha de Alemania, os norte-americanos chamam de Germany, os poloneses chamam de Niemcy e os tailandeses chamam de ???????. Cada um desses outros países também tem um nome para si mesmo dentro de suas próprias fronteiras – um endônimo – que é diferente do que chamamos no Brasil e do que outros países o chamam – um exônimo. Por que existem nomes diferentes para o mesmo país?

ISTOCK/OMERSUKRUGOKSU

Veja também:

Mapa revela os sobrenomes mais comuns em cada país

Continue com: Por que existem nomes diferentes para o mesmo país?

Apesar de darmos a eles um tratamento especial em português e colocá-los em letras maiúsculas – o que nem todos os idiomas fazem – os nomes de lugares não são tão especiais.

Sem um idioma global, os falantes de um determinado idioma terão sua própria palavra para uma determinada parte do mundo.

Esses nomes são apenas palavras e, como quaisquer outras palavras, eles têm histórias e bagagem e estão sujeitos aos caprichos da evolução linguística e, às vezes, até mesmo à mesquinhez das pessoas que os usam.

Alguns nomes de lugares simplesmente vêm das pessoas que habitam a terra.

A Alemanha, por exemplo, era a Alemanha para algumas pessoas muito antes de o país se unir e se chamar de Deutschland.

A posição central da Alemanha na Europa Ocidental significa que ela historicamente compartilhou fronteiras com muitos grupos diferentes, e muitas línguas usam o nome da primeira tribo germânica com a qual seus falantes entraram em contato como um nome para toda a região.

Os romanos nomearam um pedaço de terra a leste do rio Reno e ao norte do rio Danúbio Germânia, em homenagem à primeira tribo germânica sobre a qual ouviram falar dos gauleses próximos. A raiz do nome vem dos gauleses, que chamavam a tribo do outro lado do rio de Germani, que pode significar “vizinho” ou talvez “homens da floresta”.

Enquanto isso, os Alemanni, uma tribo germânica do sul que vivia em torno da Suíça e da Alsácia dos dias modernos, levou os franceses e os espanhóis a nomearem a terra como Allemagne e Alemanía, respectivamente.

Da mesma forma, o nome turco para a Grécia, Yunanistão, deriva dos jônios, a tribo grega que estabeleceu assentamentos na Ásia Menor e teve contato precoce com os turcos.

“Telefone” Global

Para outros nomes de lugares, você pode culpar o jogo global do “telefone” cultural que temos jogado por milhares de anos.

Conforme os exploradores percorriam o mundo e descobriam novos lugares, muitas vezes eles não tinham ideia de como chamá-los, então perguntavam aos habitantes locais.

Os nomes eram repassados ​​nas rotas comerciais ou pela diplomacia, falados e ouvidos por pessoas que não compartilhavam a mesma língua. Em algum lugar ao longo do caminho, um nome foi deturpado ou mal compreendido ou até mesmo alterado propositalmente para acomodar os sons de um idioma ou outro.

Foi assim que a Nipon se tornou o Japão. Quando Marco Polo esteve na China, ele conheceu uma ilha que se chamava Cipangu em um dos dialetos chineses.

Ele levou o nome para casa na Itália, onde foi corrompido para Giappone. Comerciantes portugueses na Ásia aprenderam sobre a mesma ilha com os malaios, que a chamavam de Japang ou Jepang.

Eles trouxeram a palavra de volta para a Europa e a transformaram em Japão. Eventualmente, um ou ambos fizeram seu caminho para o inglês como Japan.

Ainda outros nomes de lugares são uma questão de percepção.

Quase todos os países que falam uma língua eslava derivam seu nome para Germany (Alemanha) do eslavo nemtsi ou nemetes. Os etimologistas acham que isso vem da palavra nemy, ou “mudo”, e que os antigos eslavos chamavam as tribos germânicas vizinhas de mudas porque não podiam entender sua língua.

Macedônia, que pode se referir à antiga república iugoslava ou a uma série de outras coisas, é derivada do antigo grego Makedones, que os gregos do sul usavam para se referir à parte norte da região. Enraizado em makednos (“longo, alto”), ele se refere às montanhas da área ou à altura de seus habitantes.

Esses são apenas alguns dos métodos mais comuns pelos quais os exônimos nascem.