Como uma vila se sacrificou para impedir que a peste bubônica se propagasse

Conheça aqui a história de como uma vila se sacrificou para impedir que a peste bubônica se propagasse com sucesso.

Como uma vila inglesa se sacrificou para impedir que a peste bubônica se propagasse
A praga devastou Eyam no século 17. PAUL GORVETT / ISTOCK VIA GETTY IMAGES

Quando George Viccars, assistente de um alfaiate, colocou um pacote de pano perto do fogo para secar, ele nunca poderia saber que isso iria desencadear uma doença que mataria centenas de pessoas.

Como as aldeias vizinhas, Eyam, na Inglaterra – um assentamento agrícola de aproximadamente 800 habitantes – estava vulnerável quando a peste bubônica, ou Peste Negra, chegou às suas portas de Londres em agosto de 1655.

Mas, ao contrário das outras aldeias, as ações de Eyam durante os 14 meses do surto tornou-se histórica e clinicamente importante na luta contra as doenças transmissíveis por centenas de anos.

QUANDO A PESTE BUBÔNICA CHEGOU A EYAM

Como podem atestar as frequentes pandemias que varreram a Europa desde o século 14, a peste bubônica era altamente transmissível e quase sempre fatal – e, como as pandemias de hoje, se espalhou por rotas comerciais.

No século 17, ninguém sabia o que causava a peste; ideias sobre suas origens incluíam uma punição enviada por Deus, ou miasma (ar ruim). As pessoas tinham muitas ideias sobre como se salvar da Peste Negra, incluindo orações e arrependimento dos pecados, fumar tabaco ou limpar pilhas de lixo. Alguns carregavam pomanders recheados com ervas, especiarias e flores para cheirar e, assim, aliviar os efeitos do “ar ruim”.

Pulgas e mais pulgas

A verdadeira causa da peste bubônica, no entanto, eram bactérias espalhadas por pulgas – e sem o conhecimento de Viccars, o pano úmido que ele secou perto do fogo estava infestado delas.

Viccars foi mordido e, em 7 de setembro, se tornou a primeira vítima de praga da vila; em poucos dias, seus enteados e seu patrão, Alexander Hadfield, também estavam mortos. Ao longo do final de 1665, as pessoas continuaram a adoecer e a morrer à medida que a doença se espalhava pela aldeia.

Na primavera de 1666, William Mompesson, o vigário recém-nomeado de Eyam, uniu-se ao ex-vigário da paróquia, Thomas Stanley, para colocar em ação um plano que impediria a propagação da praga para as aldeias vizinhas.

Eles convenceram os aldeões a estabelecer um cordão sanitário – uma zona de quarentena – e pediram que permanecessem dentro de seus limites.

Placas postadas nas fronteiras alertavam os forasteiros para ficarem longe. Não era uma ideia nova: a quarentena era praticada nos tempos bíblicos com pacientes com hanseníase e usada em outros casos de peste na Itália desde 1400. Mas na época em que a praga atingiu Eyam no século 17, a quarentena ainda não era comum na Inglaterra. É provável, entretanto, que o bem-educado Mompesson conhecesse a prática.

COMO EYAM VENCEU A PESTE BUBÔNICA

Eyam não era autossuficiente – os moradores locais negociavam com as comunidades próximas – então os residentes da cidade pediram o apoio do conde de Devonshire e das aldeias vizinhas para criar um sistema de obtenção dos suprimentos necessários.

Eles colocaram uma Pedra Limite na fronteira sul entre Eyam e seu vizinho mais próximo, Stoney Middleton, que eles usaram como um ponto de entrega para as necessidades. A grande rocha tinha seis orifícios perfurados. Moedas para pagar os suprimentos eram jogadas em buracos cheios de vinagre, que supostamente matava a infecção. (A pedra ainda está naquela borda hoje.)

O plano de Mompesson também incluía a realização de cultos fora da igreja – o distanciamento social de hoje – já que ele entendia que havia menos chance de transmissão em espaços abertos. Pessoas têm sugerido evitar o contato pessoal para lutar contra a Peste Negra desde o século 14, embora agora saibamos que a peste pneumônica, não bubônica, tem maior probabilidade de se espalhar por meio de gotículas respiratórias.

Para desencorajar ainda mais as pessoas de se congregarem, os moradores foram encarregados de enterrar seus próprios mortos o mais rápido possível e o mais próximo possível do local da morte.

Em um caso triste, o marido de Elizabeth Hancock e todos os seis filhos morreram no espaço de oito dias, e ela teve a tarefa inimaginável de arrastar os corpos de sua casa para um campo próximo para enterrá-los sozinha. Famílias inteiras foram perdidas com a doença, incluindo todos os nove membros da família Thorpe, que morreram entre setembro de 1665 e o início do verão de 1666.

LIÇÕES DE EYAM

Um total de 260 pessoas morreram de peste em Eyam. O último morreu em 1º de novembro de 1666, pouco mais de um ano depois que a doença atingiu a aldeia pela primeira vez. Quando a praga acabou, o ato final de Mompesson foi encorajar os moradores a queimar suas roupas, móveis e roupas de cama e fumigar suas casas para eliminar qualquer ameaça remanescente em potencial.

Enquanto Eyam pagou um preço muito alto, o sacrifício da vila provavelmente salvou milhares de vidas em todo o norte da Inglaterra. De acordo com o The Washington Post, a praga não se espalhou além das fronteiras de Eyam.

A resposta drástica da pequena comunidade teve efeitos ainda maiores e mais duradouros (além da reputação de Eyam como a “aldeia da praga” da Inglaterra): a previsão de Mompesson influenciou a prática médica posterior, à medida que a quarentena se tornou a norma na inibição da propagação de doenças da poliomielite ao Ebola e COVID-19 , enquanto a colocação de moedas no vinagre imita as técnicas modernas de esterilização.

Relacionado:

Os 8 vírus mais aterrorizantes de todos os tempos