A diferença entre um psicopata e um sociopata

Você os vê na tela do cinema; você leu sobre eles nas notícias. Eles são calculistas, carismáticos, de coração frio. Mas qual é a diferença entre um psicopata e um sociopata?

A diferença entre um psicopata e um sociopata
ISTOCK

Procure sua resposta na psicologia popular e você obterá muitas opiniões conflitantes.

Algumas pessoas acreditam que os psicopatas nascem, enquanto os sociopatas são feitos, produtos de infâncias difíceis e ambientes domésticos traumáticos. Outros dizem que “sociopata” é apenas a última palavra da moda para “psicopata”. Não há consenso real.

Mas pode haver uma razão para isso: nem “psicopata” nem “sociopata” é um diagnóstico clínico.

São termos comuns para pessoas que exibem traços de personalidade “patológicos”. Nos EUA, tais características se enquadram no diagnóstico de transtorno de personalidade antissocial, de acordo com a American Psychiatric Association, que publica o Manual de Diagnóstico e Estatística de Transtornos Mentais, agora em sua 5ª edição (DSM-5). A Organização Mundial da Saúde chama isso de transtorno de personalidade dissocial.

Transtorno de personalidade antissocial e transtorno de personalidade dissocial são essencialmente a mesma coisa. Para ser diagnosticado com qualquer um deles, a pessoa deve exibir “desrespeito e violação dos direitos dos outros”. O DSM-5 lista 6 critérios principais:

  1. Prejuízos na personalidade, incluindo falta de remorso, egocentrismo, “estabelecimento de metas com base na gratificação pessoal” e a incapacidade de formar relacionamentos íntimos mutuamente;
  2. Traços de personalidade patológicos, incluindo manipulação, falsidade, insensibilidade, hostilidade, irresponsabilidade, impulsividade e risco;
  3. Esses traços de personalidade e deficiências devem ser estáveis ​​e consistentes ao longo do tempo;
  4. Esses traços de personalidade e deficiências não são normais para o estágio de desenvolvimento da pessoa (muitas crianças podem ser facilmente descritas como psicopatas) ou ambiente cultural;
  5. A personalidade e o comportamento da pessoa não são explicados por uma condição médica ou abuso de substâncias; e
  6. A pessoa deve ter pelo menos 18 anos – um critério controverso, uma vez que muitos psicólogos acham que as crianças podem começar a apresentar sinais muito cedo.

Outro “teste psicopata” frequentemente usado é o Hare Psychopathy Checklist-Revised ou o PCL-R, uma lista de verificação de 20 perguntas usada por pesquisadores, médicos e tribunais para medir tendências antissociais.

Vale ressaltar que existe uma grande diferença entre psicopatia e psicose. As duas palavras soam semelhantes e são usadas como insultos, mas é aí que termina a semelhança. Ao contrário da psicopatia, a psicose descreve a condição de perder contato com a realidade, passar por mudanças rápidas de personalidade e ter problemas para funcionar. Os termos são normalmente mutuamente exclusivos; a maioria das pessoas com transtorno de personalidade antissocial nunca experimentará psicose e vice-versa.

Os cientistas ainda não têm certeza do que causa o transtorno de personalidade antissocial.

Alguns reconhecem duas formas de psicopatia, primária e secundária, cada uma com seu próprio conjunto de causas e manifestações. Infâncias traumáticas e ambientes domésticos difíceis podem definitivamente contribuir, mas também há um claro componente fisiológico. Uma variante genética chamada MAOA-L foi associada a um risco aumentado de comportamento violento e agressivo, e varreduras cerebrais de pessoas com transtorno de personalidade antissocial mostraram baixa atividade em áreas relacionadas à empatia, moralidade e autocontrole.

Como prova, basta olhar para o neurologista James Fallon:

Fallon passou décadas pesquisando o lado anatômico da chamada psicopatia. Sua pesquisa ajudou a identificar áreas de diferença no cérebro de pessoas com transtorno de personalidade antissocial. Um dia, em 2005, Fallon estava examinando imagens do cérebro de pessoas com transtorno de personalidade antissocial, bem como de pessoas com depressão e esquizofrenia. Ao mesmo tempo, em sua mesa, havia uma pilha de exames de membros da família de Fallon, obtidos como parte de um estudo sobre a doença de Alzheimer.

“Cheguei ao fim da pilha e vi um exame que era obviamente patológico”, disse ele ao Smithsonian. O cérebro na imagem parecia pertencer a um psicopata – mas as varreduras na parte inferior da pilha pertenciam aos membros de sua família. Abalado, ele decidiu procurar o código na varredura para determinar de quem era o cérebro que ele estava olhando.

Era seu próprio cérebro.

Isso não significa que todas as pessoas com transtorno de personalidade antissocial sejam violentas, nem que sejam pessoas más. Muitos casos de transtorno de personalidade antissocial não são diagnosticados porque as pessoas em questão estão levando uma vida normal e bem-sucedida.

Fallon não conseguia acreditar.

Seu primeiro pensamento foi que sua pesquisa estava errada e que a baixa atividade nessas áreas do cérebro não tinha nada a ver com o de transtorno de personalidade antissocial. Então ele conversou com sua família. Duh, eles disseram a ele. Claro que você é um psicopata. Sua mãe, esposa e filhos reconheceram e viveram com seus problemas de personalidade o tempo todo.

Fallon fez mais exames, que confirmaram o diagnóstico. Com o tempo, ele percebeu que sempre soube. Ao longo de sua vida, ele escreveu em um artigo de opinião no The Guardian, estranhos comentaram que ele parecia “mau” e, embora nunca tenha sido violento, ele teve uma tendência de gelo. Ele havia colocado outras pessoas em perigo. Ele também tinha geralmente sido “meio que um idiota”, admitiu ao Smithsonian.

“Sou terrivelmente competitivo”, disse ele à revista. “Não vou deixar meus netos ganharem jogos … Sou agressivo, mas minha agressão é sublimada. Prefiro bater em alguém em uma discussão do que espancá-lo.”

Fallon acredita que seu sucesso relativo pode ser o resultado de crescer em um ambiente saudável e estável com muito apoio. Ele foi criado em um lar amoroso, o que, diz ele, pode tê-lo ajudado a superar alguns de seus impulsos mais feios.

Esse transtorno atualmente não tem cura. Encontrar métodos de tratamento bem-sucedidos tem sido complicado, em parte porque as pessoas com transtorno de personalidade antissocial tendem a se sentir bem à vontade com sua personalidade e têm pouca motivação para mudar. Ainda assim, alguns, como Fallon, estão determinados a se sair pelo menos um pouco melhor.

“Desde que descobri tudo isso e investiguei, tenho feito um esforço para tentar mudar meu comportamento”, disse Fallon ao Smithsonian. “Tenho feito mais conscientemente as coisas que são consideradas ‘a coisa certa a fazer’ e pensando mais nos sentimentos das outras pessoas.”

Relacionado:

No que o cinema falhou explicando múltiplas identidades