5 fatos estranhos sobre o planeta Terra

Você sabe como é: você mora em algum lugar durante toda a sua vida, mas nunca percebe o quão bom é até que alguém vem te visitar. Embora seja uma pena não recebermos visitantes que se maravilhem com todas as peculiaridades de nosso planeta natal, aqui estão 5 fatos estranhos sobre o planeta Terra que você ainda pode apreciar:

@NASA

 

A TERRA É UMA DINAMA GIGANTE

O núcleo da Terra é um pedaço sólido de níquel e ferro, girando em um mar de ferro fundido e níquel.

Essa rotação funciona da mesma forma que um gerador portátil funciona, dando à Terra um enorme campo magnético que se estende por até 50.000 quilômetros no espaço.

Este campo magnético é crucial para a vida na Terra, pois sem ele estaríamos expostos a toda a força da radiação solar.

Além de causar câncer e outras condições agravadas pela radiação, a força bruta da radiação levaria nossa atmosfera para o espaço, como aconteceu com Mercúrio e, em menor grau, Marte.

Em vez disso, as partículas carregadas são (principalmente) desviadas sem causar danos, dando origem às auroras.

Mas nem tudo é bom: todas as partículas que atingem a Terra de frente tendem a ficar presas no campo e não podem sair.

Esses chamados cintos de radiação de Van Allen podem representar um perigo para os astronautas que deixam a órbita baixa da Terra.

 

Veja também:

E se a Terra fosse tão grande quanto o Sol?

Continue com: 5 fatos estranhos sobre o planeta Terra

 

É O PLANETA MAIS DENSO DO SISTEMA SOLAR.

Embora a Terra possa não ser o maior planeta do sistema, é o maior planeta rochoso do sistema solar e também o mais denso.

Portanto, a Terra tem, de longe, a maior gravidade superficial de qualquer objeto terrestre no sistema solar. Isso é tanto benção quanto maldição.

A razão para a alta densidade são os grandes depósitos de elementos pesados ​​na composição da Terra.

Elementos como o chumbo e o urânio são muito mais raros em outros mundos, o que nos dá uma grande vantagem na quantidade e variedade de materiais de construção disponíveis aqui na Terra.

A alta gravidade também exigiu que os humanos desenvolvessem os reflexos e a resistência necessários para lidar com tal gravidade, o que significa que somos muito mais duráveis ​​do que a potencial criatura de ossos delicados e preguiça que poderíamos ser se tivéssemos evoluído em baixa gravidade.

Infelizmente, essa alta gravidade torna a Terra o pior lugar do sistema solar para a exploração espacial.

O simples custo de superar a gravidade da Terra durante cada lançamento tem sido a maior barreira para as viagens espaciais.

Para colocar em perspectiva, se a Terra tivesse a mesma gravidade da Lua, um avião típico seria rápido o suficiente para entrar em órbita.

A raça humana poderia ter explorado muito mais o sistema solar usando a tecnologia atual se tivéssemos uma gravidade mais baixa – embora, é claro, a fraqueza dos humanos de baixa gravidade pudesse ter se mostrado uma barreira igual.

A LUA É DISPROPORCIONALMENTE ENORME.

A maioria dos planetas do sistema solar tem luas, e nossa lua pode não ser a maior delas, mas em comparação com o tamanho da Terra, é enorme.

A maioria dos cientistas pensa que, em vez de coalescer por conta própria como as outras grandes luas, ela foi violentamente cortada da Terra bilhões de anos atrás por uma colisão entre a Terra e outro planeta.

O impacto – com um planeta do tamanho de Marte – liquidificou a Terra com o calor, e a Lua se quebrou, resfriando gradualmente em uma bola de rocha. Uma nova pesquisa sugere que não apenas uma, mas várias colisões podem ser responsáveis ​​por sua formação.

O tamanho e a distância da Lua são uma coincidência cósmica gigante, permitindo-nos na superfície da Terra experimentar eclipses totais, eclipses anulares e eclipses parciais, tudo a partir do conforto de nosso próprio planeta. Se a Lua fosse menor ou mais distante, não veríamos nenhum tipo de eclipse.

A Lua também é uma ferramenta importante para os cientistas que buscam entender melhor a composição da Terra. Começando com as mesmas matérias-primas, exceto o campo magnético, a Lua esfriou, a atividade geológica parou e o vento solar soprou para longe a atmosfera que havia.

Agora, a superfície está cheia de crateras que não puderam ser curadas, como cicatrizes. E o solo afiado adere a tudo, até mesmo a radiação que vem do sol. (Parece que conseguimos o melhor final desse negócio.)

 

Veja também:

Como os planetas receberam seus nomes?

Continue com: 5 fatos estranhos sobre o planeta Terra

 

VIVEMOS EM UM GIGANTE FORNO NUCLEAR.

Leve uma pá para muitos pontos da crosta terrestre e você pode desenterrar uma seleção de elementos radioativos. Embora possamos pensar que o campo magnético da Terra nos protege da radiação, ele faz pouco para nos proteger do que está bem sob nossos pés.

A maioria dos radioisótopos da Terra reside no núcleo, onde o calor de sua decomposição mantém o núcleo derretido, as placas tectônicas em movimento e o dínamo nas profundezas da Terra em rotação.

Se não fosse pelos radioisótopos, o núcleo esfriaria, o campo magnético desapareceria e a Terra lentamente se tornaria inabitável.

Porém, há outra consequência de todos esses elementos radioativos. Em Oklo, Gabão, foi descoberto que as minas de urânio continham significativamente menos urânio-235 (o tipo usado em reatores nucleares e armas) do que os outros isótopos. A conclusão surpreendente foi que as reservas foram usadas durante milhões de anos em um reator nuclear de ocorrência natural.

É O ÚNICO PLANETA QUE SABE QUE TEM VIDA.

Apesar das tentativas atuais de encontrar outros planetas habitáveis, a Terra é o único lugar no universo em que podemos ter certeza de que existe vida. Com água líquida, oxigênio e muita luz solar, realmente tivemos sorte.

Mas com as recentes descobertas de água em Europa e Calisto, as luas de Júpiter, temos uma nova esperança de que algum dia encontraremos outro planeta capaz de sustentar vida.