Um carteiro recolheu pedras todos os dias durante 33 anos e o que ele criou é surpreendente

Mais de 120.000 pessoas viajam para a comuna de Hauterives no sudeste da França todos os anos para ver o Palais Idéal du Facteur Cheval, um palácio impressionante construído inteiramente com seixos (fragmento de rocha de diâmetro variável, transportado pela água, que lhe arredonda as arestas; brugalhau, calhau, cascalho) escolhidos a dedo.

Palais Idéal du Facteur Cheval

Originalmente chamado de “O Templo da Natureza”, a maravilha feita pelo homem foi construída pedra por pedra a partir de milhares de seixos que o carteiro Joseph Ferdinand Cheval coletou por 33 anos.

Ele combinou as pedras com argamassa e calcário para criar o castelo impecavelmente detalhado.

Palais Idéal du Facteur Cheval

Com 26 metros de comprimento e 12 metros de altura em uma extremidade e 14 metros de comprimento na outra, o palácio é completo com pilares, contrafortes, um terraço e animais construídos a partir das memórias do carteiro nos cartões postais que ele entregava todos os dias.

Hoje, como parte dos passeios oferecidos, as crianças são desafiadas a jogar uma brincadeira onde localizam todos os animais escondidos dentro do palácio Idéal du Facteur Cheval.

O palácio tem uma história fascinante.

Quando Cheval tinha 43 anos, ele tropeçou em uma rocha de formato estranho enquanto entregava correspondência na mesma rota de quase 30 km que fazia por Hauterives todos os dias.

Ele ficou tão fascinado com o formato da rocha que a colocou no bolso e a levou para casa.

“Era uma forma de pedra de tropeço tão bizarra que coloquei no bolso para admirar à vontade … Pensei: já que a natureza quer fazer escultura, eu farei a alvenaria e a arquitetura”, escreveu Cheval em seu diário.

Naquele dia começou os 33 anos seguintes, ele passou coletando pedras de formato único para construir seu palácio, levando-as para casa primeiro nos bolsos das calças e, finalmente, em um carrinho de mão antes de começar a trabalhar sozinho durante a noite com uma lamparina a óleo para iluminar.

Cheval no trabalho. Coleção de direitos autorais Palais Idéal – DR / Mémoires de la Drôme

Ele marcava as pedras que achava interessantes ao entregar a correspondência, pegava-as no final do dia de trabalho e as levava para o jardim de coleta, que logo seria a casa de seu palácio.

Após anos de construção, o palácio foi oficialmente aberto aos visitantes em 1907.

Ferdinand Cheval contrata uma empregada, Julia Micoud, para se encarregar das visitas do Palácio Ideal. Coleção de direitos autorais Palais Idéal – DR / Mémoires de la Drôme

Desde então, tem sido um destino estimado para os visitantes e um local popular para concertos de pianistas renomados como Arthur H, quartetos e uma variedade de músicos durante o final de junho e julho.

O palácio é um cenário deslumbrante. Palais Idéal du Facteur Cheval

Mas o trabalho de Cheval com as pedras não terminou em seu palácio. Você também pode ver a tumba que ele construiu para si mesmo aos 78 anos, conhecida hoje como “A tumba do silêncio e do descanso sem fim”. A tumba está localizada a 1 km do palácio e é gratuita para os visitantes verem.

A tumba em que Cheval foi enterrado. Palais Idéal du Facteur Cheval

Cheval foi capaz de construir sua magnífica criação sem nenhum treinamento artístico formal, razão pela qual seu trabalho tem sido uma grande fonte de inspiração para artistas como Picasso, Jean Tinguely e o escritor francês André Breton, que apelidou o palácio de precursor da arquitetura surrealista.

Hoje, o palácio está aberto ao público o ano todo. As excursões custam 6,50 euros para adultos e 5 euros para crianças dos 6 aos 16 anos.

Se você tiver a chance de visitar o palácio, dê uma olhada nas paredes, onde você pode ver a poesia de Cheval, que ele mesmo gravou. Talvez uma das inscrições mais comoventes seja aquela que diz: “O sonho de um homem”.