Por que os papas mudam de nome?

Você deve conhecer esses nomes: Joseph Ratzinger, Karol Wojtyla e Giovanni Montini – São os nomes de nascença dos Papas. Mas você sabe por que os papas mudam de nome quando são eleitos?

Não existe uma doutrina estrita exigindo isso. Durante séculos, os homens que assumiram o cargo principal na Igreja Católica Romana mantiveram seus nomes de nascimento.

GETTY

Então por que os papas mudam de nome? Vamos à história:

A primeira pessoa a adotar um novo apelido foi o Papa João II em 533. Nascido Mercúrio, ele achava imprudente ter o nome de um deus pagão enquanto servia como pontífice.

Seus sucessores voltaram à velha maneira de fazer as coisas até que Pietro Canepanova foi escolhido papa em 983. Ele não quis usar o nome de São Pedro, o primeiro papa, e então mudou para João XIV.

Ele foi seguido por Giovanni di Gallina Alba, que manteve seu nome de nascimento e se tornou João XV.

Após sua morte em 956, os papas começaram a usar um pseudônimo, conhecido como nome real, regularmente.

O último papa a usar seu nome verdadeiro foi Adriano VI em 1522 (ele também foi o último não italiano eleito até 1978).

O nome real é frequentemente escolhido com um propósito. Bergoglio escolheu Francisco em homenagem a São Francisco de Assis, prenunciando seu compromisso com os pobres. Albino Luciani, a seguir a João XXIII e Paulo VI, apelidou-se de João Paulo. Ele morreu após um reinado de 33 dias. Wojtyla se autodenominou João Paulo II em sua memória.

O nome mais popular é João, usado por 21 homens, embora o mais recente seja João XXIII. Houve 16 Gregorys e 15 Benedicts. Francisco é um dos 44 papas que têm um nome único.

Veja também:

As 9 tradições de casamento mais fascinantes do mundo