Genial.club

Pessoas inteligentes são mais propensas a acreditar em estereótipos


Um novo estudo publicado no Journal of Experimental Psychology descobriu que as pessoas que pontuam mais alto em um tipo de teste de inteligência são mais propensas a acreditar em estereótipos. Felizmente, eles também têm maior probabilidade de descartá-los.

@ISTOCK

Existem muitos tipos diferentes de inteligência, cada um dependente de seu próprio conjunto de habilidades e capacidades. Uma dessas habilidades é o reconhecimento de padrões, sem o qual teríamos problemas para reconhecer rostos, aprender línguas ou ler as emoções de outras pessoas.

Por ser tão central para o nosso funcionamento cognitivo e social, o reconhecimento de padrões às vezes é usado por pesquisadores como uma abreviatura para a inteligência geral.

Pesquisadores da Universidade de Nova York se perguntaram se havia alguma desvantagem nesse tipo de inteligência – se a capacidade de uma pessoa de fazer associações rápidas poderia torná-la mais suscetível a generalizações e estereótipos prejudiciais.

O EXPERIMENTO:

Para descobrir, eles projetaram uma série de seis experimentos online para comparar as habilidades de reconhecimento de padrões de mais de 1200 participantes com a facilidade com que eles aderiram a estereótipos.

Em um experimento, os pesquisadores mostraram aos participantes uma coleção de rostos masculinos, junto com uma descrição de algo que cada homem fez no passado. Algumas das ações dos homens foram boas, como enviar flores para alguém que estava doente. Outros eram desagradáveis.

O que os participantes não perceberam foi que os pesquisadores ajustaram a configuração para que uma característica facial, seja um nariz largo ou estreito, fosse combinada com mais frequência com mau comportamento, essencialmente inventando um estereótipo negativo.

Após essa introdução subconsciente, os participantes foram convidados a jogar um jogo de confiança com um parceiro virtual (na verdade, um robô de pesquisa). Os avatares “parceiros” tinham diferenças sutis na forma e no tamanho de seus narizes.

Com certeza, os participantes que passaram no teste de reconhecimento de padrão ficaram mais desconfiados com os participantes com o tipo “ruim” de nariz, qualquer que fosse. Sua capacidade de tirar conclusões precipitadas parecia conduzi-los diretamente à armadilha do estereótipo.

“Habilidades cognitivas superiores são frequentemente associadas a resultados positivos, como desempenho acadêmico e mobilidade social”, disse o autor principal David Lick em um comunicado. “No entanto, nosso trabalho mostra que algumas habilidades cognitivas podem ter consequências negativas.”

As notícias não eram todas ruins. Outro experimento testou a capacidade das pessoas de abandonar os estereótipos existentes prejudiciais – neste caso, relacionados ao gênero. Os pesquisadores sutilmente expuseram os participantes a informações que desafiavam suas crenças, mostrando mulheres se comportando de forma assertiva, por exemplo, ou homens se afastando para permitir que outros liderassem.

No final das contas, os participantes que pontuaram mais alto no teste de reconhecimento de padrões também foram melhores em receber essas novas informações e deixá-las mudar de ideia. Após a exposição, eles eram menos propensos a aderir a estereótipos de gênero prejudiciais.

“Descobrir que a capacidade de detecção de padrões mais elevada coloca as pessoas em maior risco de detectar e aplicar estereótipos, mas também de revertê-los, implica essa capacidade como um mecanismo cognitivo subjacente à estereotipagem”, disse o co-autor Jonathan Freeman no comunicado.

“Nossas descobertas podem ajudar a pavimentar o caminho para pesquisas futuras que alavancam a detecção de padrões ou outras habilidades cognitivas para reduzir preconceitos sociais.”


Gostou? Compartilhe com seus amigos!

Oops, você está offline.