Os falsos modestos são os piores (a ciência diz que sim)

Uma nova palavra está sendo usada na língua inglesa: Humblebrag. É a fusão de duas palavras comuns e com significado bem interessante: HUMBLE é humilde, BRAG é “contar vantagem”. Os falsos modestos são os piores (a ciência diz que sim)!

Os falsos modestos são os piores (a ciência diz que sim)

@ISTOCK

Até aqui tudo normal. O detalhe é que HUMBLEBRAG é usado no contexto das redes sociais e vale para aquelas pessoas que ficam “enchendo a própria bola” falando das coisas “humildes, sinceras e virtuosas” que elas fazem.

Humblebraggarts ou os falsos modestos e humildes.

Todos nós conhecemos (pelo menos) um: aquela pessoa que adota a atitude de ai de mim “reclamar” ostensivamente de algo quando a verdadeira intenção é se gabar.

“É meio-dia, não tomei uma xícara de café e a máquina de café expresso desta concessionária Mercedes está quebrada!”

“Estou no aeroporto há 30 minutos. Da próxima vez, voarei particular em vez de comercial.”

Em muitos aspectos, é outra versão de #ProblemasDePrimeiroMundo, e os meios de comunicação social como Facebook, Instagram e Twitter apenas tornaram a prática mais difundida.

Como relata o TIME, um novo estudo concluiu que as pessoas enxergam através dessa falsa humildade – e gostam menos das pessoas por fazê-lo.

Pesquisadores de Harvard e da Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill conduziram uma série de nove experimentos, incluindo um estudo diário de uma semana e um experimento de campo, para identificar a onipresença do comportamento e então determinar sua eficácia como uma forma de auto- apresentação.

Suas descobertas, que foram publicadas no Journal of Personality and Social Psychology, determinaram que, se você vai se gabar, as pessoas preferem que você seja transparente sobre isso.

 

Veja também:

Como a “síndrome de Savant” torna algumas pessoas e seus cérebros extraordinários

Continue com: Os falsos modestos são os piores (a ciência diz que sim)

 

“É um fenômeno tão comum”, disse Ovul Sezer, co-autor do estudo e professor assistente de comportamento organizacional na Kenan-Flagler Business School da UNC, à TIME.

“Todos nós conhecemos algumas pessoas em nossas vidas, seja nas redes sociais ou no local de trabalho, que fazem essa coisa chata. Você pensa, como o humilde fanfarrão, que é o melhor dos dois mundos, mas o que mostramos é que a sinceridade é na verdade o ingrediente principal. ”

Dos 646 participantes, 70% deles lembravam-se de uma humilde fofoca que ouviram – a maioria (cerca de 60%) baseada em reclamações.

Mas o estudo mostrou, de forma esmagadora, que quaisquer declarações que pudessem ser percebidas como humilde vanglória (sejam baseadas em reclamação ou humildade) “são menos eficazes do que uma vanglória direta, pois reduzem o gosto, a competência percebida, a conformidade com os pedidos e a generosidade financeira”, de acordo com os autores do estudo.

“Apesar da crença de que combinar vanglória com reclamação ou humildade confere os benefícios de cada estratégia”, concluiu o estudo, “descobrimos que a vanglória humilde não confere os benefícios de nenhuma das duas, em vez de sair pela culatra porque é visto como insincero.”

Em outras palavras: eles não estão enganando ninguém.

“Se você quiser anunciar algo, vá com orgulho e pelo menos tenha sua autopromoção e colha as recompensas de ser sincero, ao invés de perder em todas as dimensões”, disse Sezer, embora ela sugerisse que uma tática ainda mais eficaz é encontre alguém para se gabar em seu nome.

“Se alguém se gabar por você, essa é a melhor coisa que pode acontecer com você, porque então você não parece estar se gabando”, disse ela à TIME.

No entanto, o último conselho de Sezer foi não ser muito precipitado ao rejeitar os humildes fanfarrões como um todo. “Todos nós fazemos isso, até certo ponto”, disse ela. “Espero não parecer humilde quando falo sobre essa pesquisa.”