Jainismo é a religião mais pacífica do mundo. Você conhece?

O jainismo é uma das três religiões mais antigas da Índia, com raízes que datam de pelo menos meados do século I a.C. Jainismo é a religião mais pacífica do mundo. Você conhece?

Hoje, ainda é parte integrante da cultura indiana.

O jainismo ensina que o caminho para a iluminação é por meio da não violência e da redução dos danos aos seres vivos (incluindo plantas e animais) tanto quanto possível.

Mulheres pertencentes à comunidade Jain, vestidas com trajes tradicionais, participam de um comício durante as celebrações do festival Mahaveer Jayanti, em Bangalore em 2019. Mahavir Jayanti comemora o nascimento do Senhor Mahavira, o 24º e o último Tirthankar do Jainismo. MANJUNATH KIRAN / AFP VIA GETTY IMAGES

Como hindus e budistas, os jainistas acreditam na reencarnação.

Este ciclo de nascimento, morte e renascimento é determinado pelo carma de uma pessoa. Os jainistas acreditam que o carma ruim é causado por danos aos seres vivos.

Para evitar o carma ruim, os jainistas devem praticar ahimsa, um código estrito de não-violência.

Os jainistas acreditam que as plantas, os animais e até mesmo algumas coisas inanimadas (como o ar e a água) têm alma, assim como os humanos.

O princípio da não violência inclui não causar danos aos humanos, plantas, animais e natureza.

 

Veja também:

Síndrome de Jerusalém: o curioso caso que faz as pessoas acreditarem que são messias

Continue com: Jainismo é a religião mais pacífica do mundo.

 

Por essa razão, os jainistas são vegetarianos estritos – tão estritos, na verdade, que comer raízes não é permitido porque remover a raiz mataria a planta.

No entanto, os jainistas podem comer vegetais que crescem acima do solo, porque podem ser colhidos deixando o resto da planta intacto.

Em total dedicação à não-violência, os monges e freiras Jain de melhor posição evitam espantar os mosquitos ou abrir um caminho no chão para que não pisem em uma formiga.

Além da não violência, o jainismo tem quatro votos adicionais que orientam os crentes: sempre fale a verdade, não roube, mostre restrição sexual (tendo o celibato como um ideal) e não se apegue às coisas mundanas.

Embora compartilhe muitas crenças e valores com o hinduísmo e o budismo, o jainismo tem seus próprios líderes e professores espirituais.

Os jainistas honram 24 Jinas, ou Tirthankaras: líderes espirituais que alcançaram a iluminação e foram libertados do ciclo de renascimento.

Um dos Jinas mais influentes foi Mahavira, nascido Vardhamana, considerado o 24º e último Jina.

Ele nasceu na classe kshatriya ou guerreira, tradicionalmente datada de 599 a.C., embora muitos estudiosos acreditem que ele nasceu depois.

Quando ele tinha 30 anos, ele renunciou às suas posses mundanas para viver a vida de um asceta (aquele que pratica a abnegação das coisas mundanas).

Após mais de 12 anos de intenso jejum e meditação, Vardhamana alcançou a iluminação e se tornou Mahavira (que significa “Grande Herói”).

De acordo com a tradição, ele estabeleceu uma grande comunidade de seguidores Jain: 14.000 monges e 36.000 freiras no momento de sua morte.

Hoje, a maioria dos seguidores do jainismo vive na Índia, com estimativas de mais de quatro milhões de seguidores. Os ensinamentos do jainismo influenciaram muitos em todo o mundo.

Embora nascido hindu, Mahatma Gandhi admirava o compromisso dos jainistas com a não-violência total e incorporou essa crença em seu movimento pela independência indiana.