Há evidências que sua insônia é genética

Em 2016, um estudo com ratos descobriu que há evidências que sua insônia é genética.

Há evidências que sua insônia é genética

@ISTOCK

 

Vários estudos com gêmeos humanos também sugeriram que a insônia pode ser uma característica hereditária.

Agora, uma nova pesquisa publicada na Molecular Psychiatry não apenas reforça essa descoberta, mas também sugere que pode haver uma ligação genética entre a insônia e alguns outros transtornos psiquiátricos e físicos, como depressão e diabetes tipo 2, como nos alerta a Psych Central.

A insônia é particularmente prevalente em populações de veteranos militares.

Para este estudo, os pesquisadores do VA San Diego Healthcare System analisaram as respostas ao questionário e as amostras de sangue de quase 33.000 novos soldados no início do treinamento básico, juntamente com pesquisas pré e pós-desenvolvimento de quase 8.000 soldados enviados para o Afeganistão a partir do início de 2012.

 

Veja também:

Quer dormir melhor? Não pense na insônia

Continue com: Há evidências que sua insônia é genética

 

Eles conduziram testes de associação do genoma para determinar a herdabilidade da insônia e as ligações entre a insônia e outros distúrbios.

Os resultados foram ajustados para a presença de depressão maior (uma vez que a insônia é um sintoma comum de depressão).

Os dados do genótipo mostraram que o distúrbio de insônia era altamente hereditário e identificou genes potenciais que podem estar envolvidos.

O estudo indicou que existe uma forte correlação genética entre insônia e depressão maior. (Os dois eram distintos, porém, o que significa que a insônia não podia ser totalmente explicada pela depressão.)

Eles também encontraram uma correlação genética significativa entre a insônia e o diabetes tipo 2.

Como o estudo se baseou em dados das forças armadas dos EUA, o estudo não tem a amostra de maior alcance – era em grande parte do sexo masculino e não era diverso como poderia ter sido.

(Embora tenha analisado as respostas de recrutas com ancestrais europeus, africanos e latinos, não havia participantes asiático-americanos suficientes para analisar como um grupo.)

As respostas também foram autorrelatadas, o que nem sempre é o dado mais preciso como método de coleta.

Os genes indicados por este estudo podem ser usados ​​para desenvolver novos tratamentos para a insônia, mas estudos futuros provavelmente precisarão explorar essas questões em populações mais amplas.