A mulher que se recusou a casar com seu abusador

Em 1966, a Itália foi abalada pelos esforços corajosos de uma mulher para desafiar o tratamento dado pelo país às vítimas de estupro – as lições que infelizmente ainda são relevantes. Franca Viola, a mulher que se recusou a casar com seu abusador – tornou-se a primeira mulher italiana a recusar um “casamento reabilitador” (“matrimonio riparatore” em italiano) com o seu vitimador depois de sofrer sequestro e violação. Ela foi uma das primeiras mulheres italianas estupradas a se recusar publicamente a se casar com seu estuprador.

Franca Viola tornou-se um símbolo do progresso cultural e da emancipação das mulheres na Itália do pós-guerra.

Viola cresceu em Alcamo, Sicília, em uma família de agricultores. Em 1963, aos 15 anos, ela ficou noiva de Filippo Melodia, sobrinho de um mafioso local, então com 23 anos, mas depois que Melodia foi preso por roubo, o pai de Viola insistiu que ela rompesse o noivado, o que ela fez. Melodia então viajou para a Alemanha.

Em 1965, Viola estava noiva de outro homem. A essa altura Melodia havia retornado a Alcamo e tentava sem sucesso entrar na vida de Viola novamente, perseguindo-a e ameaçando seu pai e namorado.

 

Veja também:

A história brutal das ‘Mulheres de conforto’ do Japão

Continue com: A mulher que se recusou a casar com seu abusador

 

Na madrugada de 26 de dezembro de 1965, Melodia e um grupo de 12 companheiros armados invadiram a casa de Viola e sequestraram Franca arrastando-a para um carro, batendo na mãe de Viola e levando também Mariano, irmão de 8 anos de Franca, que se recusou a deixar sua irmã.

Mariano foi libertado algumas horas depois, mas Franca foi detida por 8 dias na casa da irmã de Melodia e seu marido (uma casa de fazenda na periferia da cidade), onde foi estuprada várias vezes. Melodia disse-lhe que agora seria obrigada a casar-se com ele para não se tornar uma mulher “desonrada”, mas Viola respondeu que não tinha intenção de casar e, além disso, que o processaria por rapto e violação.

Segundo o código social tradicional, essa escolha a tornaria uma “donna svergognata”: uma “mulher sem honra” (literalmente: uma “mulher sem-vergonha“), pois havia perdido a virgindade sem se casar.

É notável que esses conceitos não eram exclusivos da Sicília ou das áreas rurais; em certa medida, também estavam implícitos no Código Penal italiano da época, nomeadamente o Artigo 544, que equiparou a violação a um crime contra a “moralidade pública” em vez de uma ofensa pessoal, e formalizou a ideia de um “casamento reabilitador” (matrimonio riparatore), afirmando que um estuprador que se casasse com sua vítima teria seu crime automaticamente extinto.

O julgamento foi uma sensação em Alcamo e além. Multidões se aglomeraram em debates sobre o julgamento, que mais tarde foram retransmitidos pelo New York Times com a mais condescendente das manchetes: “Nenhum admirador liga para a França da Sicília”.

Apesar de ser a figura central desses eventos, a narrativa pública ofuscou os pensamentos e objetivos de Viola sobre o assunto. Reportagens de jornais a descreveram como “gentil”, “magra” e “bonita”.

 

Veja também:

12 coisas comuns que as mulheres já foram proibidas de fazer

Continue com: A mulher que se recusou a casar com seu abusador

 

Melodia foi finalmente considerado culpado e condenado a 11 anos de prisão (mais tarde apelou para dez), com sete de seus cúmplices recebendo penas de quatro anos.

O artigo de lei pelo qual um estuprador poderia extinguir seu crime casando-se com sua vítima não foi abolido até 1981.

A violência sexual tornou-se um crime contra a pessoa (em vez de contra a “moralidade pública”) apenas em 1996. Melodia foi libertado da prisão em 1976 e banido da Sicília por seus laços com a máfia. Ele foi morto a tiros em Modena dois anos depois.

Filippo Melodia e seus cúmplices aguardam julgamento atrás das grades.

Franca Viola casou-se com Giuseppe Ruisi em dezembro de 1968, quando ela tinha quase 21 anos. Eles gostavam um do outro desde a infância.

Ruisi, um contador, insistiu que ele teria se casado com a garota que ele sempre amou apesar das ameaças e rumores, mas teve que solicitar uma licença para porte de arma de fogo após obter a licença de casamento, para proteger a si mesmo e sua futura esposa.

Tanto o presidente italiano Giuseppe Saragat quanto o Papa Paulo VI expressaram publicamente seu apreço pela coragem de Franca Viola e sua solidariedade para com o casal. Viola e Ruisi teriam três filhos (dois filhos e uma filha). Franca Viola ainda vive em Alcamo com o marido.