Aluno propôs uma teoria de viagem no tempo sem paradoxos

Este aluno propôs uma teoria de viagem no tempo sem paradoxos: Aqueles de nós que amam histórias e teorias sobre viagens no tempo sabem que uma coisa é verdade – se quisermos apreciá-los, você tem que aceitar que se você pensar muito sobre qualquer viagem no tempo, tudo vai desmoronar.

Aceitamos isso, assim como amamos analisar, considerar e sonhar que isso seja uma realidade, a verdade é que a ciência tem certeza de que isso não é possível.

Bem, até agora.

Este aluno propôs uma teoria de viagem no tempo sem paradoxos

Germain Tobar, graduado com honras da Universidade de Queensland, publicou um artigo revisado por pares sobre o tópico em “Classical and Quantum Gravity” (Gravidade Clássica e Quântica).

Ele trabalhou com seu professor de física, Fabio Costa, e os dois acreditam ter “encontrado um meio-termo na matemática que resolve um grande paradoxo lógico em um modelo de viagem no tempo”.

A matemática é mais do que honestamente sou capaz de explicar (ou realmente entender), mas aqui está o ponto crucial:

  • A viagem no tempo concentra-se em curvas fechadas tipo tempo (closed time-like curves – CTCs), uma ideia que Einstein primeiro postulou.
  • Tobar e Costa dizem que enquanto apenas duas peças de um cenário sem aquelas curvas parecidas com o tempo ainda estiverem em “ordem causal” quando você retornar ao presente, tudo ficará bem.

O artigo conclui…

Nossos resultados mostram que os CTCs não são apenas compatíveis com o determinismo e com a ‘livre escolha’ de operações, mas também com uma gama rica e diversificada de cenários e processos dinâmicos.”

Costa ilustrou a ciência com uma analogia, o que pode ajudar:

Digamos que você tenha viajado no tempo, em uma tentativa de impedir que o paciente zero do COVID-19 seja exposto ao vírus.

No entanto, se você impedir que esse indivíduo seja infectado, isso eliminará a motivação para você voltar e parar a pandemia em primeiro lugar.

Isso é um paradoxo, uma inconsistência que muitas vezes leva as pessoas a pensar que a viagem no tempo não pode ocorrer em nosso universo.

Logicamente, é difícil de aceitar porque isso afetaria nossa liberdade de fazer qualquer ação arbitrária.

Significaria que você pode viajar no tempo, mas não pode fazer nada que possa causar um paradoxo”.

 

Veja também:

Melhores filmes de viagem no tempo da última década, de acordo com o IMDb

Continue com: Este aluno propôs uma teoria de viagem no tempo sem paradoxos

 

Você deve ter ouvido falar desse fenômeno como “efeito borboleta”, que se refere a grandes mudanças como resultado de uma ação pequena e aparentemente inócua.

O que eles estão dizendo é que, em termos de resultados matemáticos, você deve ter cuidado com o que deseja – e ter cuidado para que você vai viajar no tempo.

No exemplo do paciente zero com corona vírus, você pode tentar impedir que o paciente zero seja infectado, mas, ao fazer isso, você pegaria o vírus e se tornaria o paciente zero, ou outra pessoa o faria.

Não importa o que você fizesse, os eventos mais importantes seriam apenas recalibrados ao seu redor.

Por mais que você tente criar um paradoxo, os eventos sempre se ajustarão, para evitar qualquer inconsistência.”

Embora essa ideia possa matar muitas boas histórias, a verdade é que, tanto para matemáticos quanto para cientistas, ela ajuda a aplainar um obstáculo que há muito tempo atrapalha o pensamento sobre o tempo.

Não apenas isso, mas também se ajusta às recentes descobertas quânticas de Los Alamos, e também à maneira como a matemática do passeio aleatório se comporta em uma ou duas dimensões.

Portanto, preste atenção, escritores de ficção científica do mundo – se você acreditar nisso, isso significa que seus personagens não precisam se preocupar (muito) com alguma pequena interação mudando o destino do mundo.