Dollymania: Dolly, a ovelha criou uma sensação nos anos 90

Era sábado, 22 de fevereiro de 1997, e os pesquisadores britânicos Ian Wilmut e Keith Campbell esperavam um momento final de calma antes que os resultados de seu experimento científico sem precedentes fossem anunciados ao mundo – Dollymania: Dolly, a ovelha criou uma sensação nos anos 90:

Dollymania: Dolly, a ovelha criou uma sensação nos anos 90

Dolly, a ovelha no Museu Nacional da Escócia @Paul Hudson/FLICKR

A equipe manteve a descoberta em segredo por sete meses, enquanto esperavam que seu artigo fosse publicado na prestigiosa revista Nature. Comunicados de imprensa confidenciais foram enviados a jornalistas com a instrução estrita de não vazar a notícia antes de 27 de fevereiro.

Mas naquela noite, a equipe foi informada de que o jornalista Robin McKie divulgaria a história no dia seguinte no jornal britânico The Observer.

Wilmut e Campbell correram para o laboratório no Instituto Roslin na manhã de domingo enquanto a história de McKie atingia a mídia como um raio. Os meios de comunicação internacionais já começaram a fervilhar no instituto para ter acesso à criação de Wilmut e Campbell: a ovelha Dolly, o primeiro mamífero do mundo clonado com sucesso a partir de uma única célula adulta.

 

Veja também:

13 fatos sobre genes

Continue com Dollymania: Dolly, a ovelha criou uma sensação nos anos 90

 

Protegida do público em geral, ela enfiou o nariz através da cerca e mastigou calmamente o feno de seu cercado, imperturbável pela horda de fotógrafos de notícias. Dolly, um milagre científico lanoso e berrante, parecia-se muito com as outras ovelhas, mas com uma diferença genética notável.

No final daquele domingo, 23 de fevereiro, quase todos os grandes jornais do mundo publicaram manchetes sobre a ovelha Dolly.

UMA DESCOBERTA HÁ MUITO ESPERADA

Nascida em 5 de julho de 1996, Dolly foi clonada pela equipe de Wilmut e Campbell no Roslin Institute, uma parte da Universidade de Edimburgo, e pela empresa escocesa de biotecnologia PPL Therapeutics. Os cientistas clonaram Dolly inserindo DNA de uma única célula da glândula mamária de uma ovelha em um óvulo de outra ovelha e, em seguida, implantando-o em uma ovelha mãe substituta.

Dolly, portanto, teve três mães – uma que forneceu o DNA da célula, a segunda que forneceu o óvulo e a terceira que carregou o embrião clonado até o fim. Tecnicamente, porém, Dolly era uma réplica genética exata apenas da ovelha de onde a célula foi retirada.

Após o anúncio, o Instituto Roslin recebeu 3.000 ligações de todo o mundo. O nascimento de Dolly foi anunciado como um dos avanços científicos mais importantes da década.

Mas Dolly não foi a primeira tentativa da ciência de clonagem. Os pesquisadores vinham explorando as complexidades da clonagem por quase um século. Em 1902, os embriologistas alemães Hans Spemann e Hilda Mangold, sua aluna, criaram com sucesso duas salamandras a partir de um único embrião dividido por um laço feito de um fio de cabelo.

Desde então, os experimentos de clonagem continuaram a se tornar mais sofisticados e matizados. Vários clones de animais de laboratório, incluindo rãs e vacas, foram criados antes de Dolly. Mas todos eles foram clonados de embriões. Dolly foi o primeiro mamífero a ser clonado de uma célula adulta especializada.

UMA REAÇÃO MUNDIAL – E CONTROVÉRSIA

Muitos cientistas dos anos 90 ficaram pasmos. O advento de Dolly mostrou que células especializadas podem ser usadas para criar uma réplica exata do animal de onde vieram. “Isso significa que toda ficção científica é verdade”, disse o professor de biologia Lee Silver, da Universidade de Princeton, ao The New York Times em 1997.

O Washington Post relatou que “Dolly, dependendo do comentarista que você lê, é a maior história do ano, da década, mesmo do século. Wilmut se viu comparado a Galileu, a Copérnico, a Einstein e pelo menos uma vez ao Dr. Frankenstein. ”

Cientistas, legisladores e o público rapidamente imaginaram um futuro moldado pela clonagem humana antiética. O presidente Bill Clinton pediu uma revisão da bioética da clonagem e propôs uma legislação que proibiria a clonagem com o propósito de “criar um filho” (não foi aprovado).

A Organização Mundial da Saúde concluiu que a clonagem humana era “eticamente inaceitável e contrária à integridade e moralidade humanas”. Um editorial de um jornal do Vaticano exortou os governos a proibir a clonagem humana, dizendo que todo ser humano tem “o direito de nascer de forma humana e não em um laboratório”.

 

Veja também:

Titanoboa: cobra MONSTRO vivendo na Amazônia

Continue com Dollymania: Dolly, a ovelha criou uma sensação nos anos 90

 

Enquanto isso, alguns cientistas não ficaram convencidos sobre a autenticidade do experimento de Wilmut e Campbell. Norton Zinder, professor de genética molecular na Universidade Rockefeller, chamou o estudo publicado na Nature de “um artigo ruim” porque a ancestralidade genética de Dolly não era conclusiva sem testar suas mitocôndrias – DNA que é transmitido pelas mães.

Isso teria confirmado se Dolly era filha da ovelha que a deu à luz. No The New York Times, Zinder chamou o trabalho da dupla escocesa de “apenas ciência ruim, ciência incompleta”. Mas o diretor do NIH, Harold Varmus, disse ao Times que não tinha dúvidas de que Dolly era um clone de uma ovelha adulta.

As células-tronco embrionárias, que se formam logo após a fertilização, podem se transformar em qualquer tipo de célula do corpo. Depois de se transformarem em tipos específicos de células, como neurônios ou células sanguíneas, eles são chamados de células especializadas.

Como a célula que deu origem a Dolly já era especializada em seu papel de célula da glândula mamária, a maioria dos cientistas achou que seria impossível clonar qualquer coisa dela, exceto outras células da glândula mamária. Dolly provou que eles estavam errados.

DOLLYMANIA!

Por ter sido clonada de uma célula da glândula mamária, Dolly foi batizada – alerta de piada – em homenagem à superestrela da música country Dolly Parton. (Parton não se importou com a atribuição.) Como seu homônimo, a ovelha Dolly era uma celebridade de boa-fé: ela posou para revistas, incluindo People; tornou-se assunto de livros, artigos de periódicos e editoriais; tinha uma ópera escrita sobre ela; estrelou em comerciais; e serviu de metáfora em uma campanha eleitoral.

 

Veja também:

‘Menor réptil da terra’ tem apenas 2,2 cm de comprimento

Continue com Dollymania: Dolly, a ovelha criou uma sensação nos anos 90

 

E isso não foi tudo: a repórter do New York Times Gina Kolata, uma das primeiras jornalistas a dar aos leitores uma visão aprofundada de Dolly, escreveu Clone: ​​The Road to Dolly, and the Path Ahead (Clone: O caminho para Dolly, e o caminho adiante) e contrastou a criação do animal com os arquétipos em Frankenstein e A ilha do Dr. Moreau. O compositor americano Steve Reich ficou tão afetado pela história de Dolly que a apresentou em Three Tales, uma vídeo-ópera que explora os perigos da tecnologia.

O LEGADO DE DOLLY

Seguindo Dolly, muitos mamíferos maiores foram clonados, incluindo cavalos e touros. A Roslin Biomed, criada pelo Roslin Institute para se concentrar na tecnologia de clonagem, foi posteriormente vendida para a Geron Corporation, sediada nos Estados Unidos, que combinou tecnologia de clonagem com pesquisa de células-tronco. Mas, apesar de sua popularidade – e medo generalizado – o nascimento de Dolly não levou a uma explosão na clonagem: a clonagem humana era considerada muito perigosa e antiética, enquanto a clonagem de animais era minimamente útil para fins agrícolas. O verdadeiro legado da ovelha é considerado o avanço na pesquisa com células-tronco.

A existência de Dolly mostrou que era possível mudar a expressão do gene de uma célula trocando seu núcleo por outro. O biólogo de células-tronco Shinya Yamanaka disse à Scientific American que a clonagem de Dolly o motivou a desenvolver com sucesso células-tronco a partir de células adultas. Mais tarde, ele ganhou um Prêmio Nobel por seus resultados, chamados de células-tronco pluripotentes induzidas (iPS), porque são criadas artificialmente e podem ter uma variedade de usos. Eles reduziram a necessidade de células-tronco embrionárias na pesquisa e, hoje, as células iPS formam a base para a maioria das pesquisas e terapias com células-tronco, incluindo a medicina regenerativa.

Dolly teve seis filhos e levou uma vida produtiva e sociável com muitos fãs humanos que vinham visitá-la. Em 2003, um exame veterinário mostrou que Dolly tinha uma doença pulmonar progressiva e ela foi sacrificada. Mais quatro clones criados a partir da mesma linha celular em 2007 não enfrentaram esses problemas de saúde e envelheceram normalmente.

Dolly ainda é um espetáculo, anos após sua criação: seu corpo foi taxidermizado e exposto no Museu Nacional da Escócia em Edimburgo.