Sponsored Links

Como médicos inventaram uma doença para enganar os nazistas e salvar vidas judaicas

A história pouco conhecida da Síndrome K inventada por médicos, que permaneceu em segredo por 60 anos após a guerra.

médicos
Lizz Callahan/Pixabay – Hospital Fatebenefratelli

De setembro de 1943 a junho de 1944, as forças nazistas ocuparam a cidade de Roma. Durante esse tempo, uma doença misteriosa eclodiu, o que levou muitos a ficarem em quarentena em uma ala isolada do Hospital Fatebenefratelli da cidade. Chamada de Síndrome K, a doença resultou em zero fatalidades e, em vez disso, salvou dezenas de vidas de judeus.

Embora muito temida, a Síndrome K não era realmente nada para se preocupar, pois não era uma doença real. Como explica Quartz, a doença foi ideia dos médicos Vittorio Sacerdoti, Giovanni Borromeo e Adriano Ossicini, que viram uma oportunidade de salvar alguns de seus vizinhos judeus e a aproveitaram.

O hospital, localizado perto do gueto judeu de Roma, no rio Tibre, tornou-se o lar de dezenas de judeus italianos que buscavam refúgio depois que os nazistas ocupantes cercaram cerca de 10.000 pessoas para enviar para campos de concentração.

Elaborando um plano para manter esses refugiados em segurança, o trio de médicos diagnosticou muitos deles com Síndrome K. Porque a documentação médica oficial para os pacientes com Síndrome K dizia que eles deveriam ser mantidos em quarentena, onde eles ficavam e ninguém fazia perguntas.

“A síndrome K foi colocada nos papéis do paciente para indicar que a pessoa doente não estava doente, mas era judia”, disse Ossicini em entrevista ao La Stampa. Criamos esses papéis para os judeus como se fossem pacientes comuns, e no momento em que tínhamos que dizer que doença eles sofriam? Era a Síndrome K, que significa ‘Estou admitindo um judeu’, como se ele ou ela estivesse doente, mas todos eram saudáveis”.

O nome Síndrome K não apenas alertou a equipe do hospital de que os “pacientes” eram na verdade refugiados judeus com boa saúde, mas também serviu como um golpe para seus opressores, especificamente Albert Kesselring e Herbert Kappler. Kesselring era um estrategista defensivo nazista e o comandante responsável pela ocupação italiana, enquanto Kappler era um coronel da SS.

Escondidos em uma ala separada da instalação, os “infectados” com Síndrome K foram instruídos a tossir e agir como doentes na frente dos soldados nazistas enquanto investigavam Fatebenefratelli.

Dizia-se que os pacientes eram altamente contagiosos, impedindo os oficiais nazistas de chegarem perto dos alojamentos em que estavam sendo mantidos. Os oficiais nazistas ficaram com medo de contrair a doença misteriosa, evitando a todo custo.

médicos
Wikimedia Commons – Giovanni Borromeo

Creditada principalmente aos médicos Sacerdoti, Borromeo e Ossicini, a operação só foi possível com a ajuda de toda a equipe, que jogou junto com o plano, sabendo exatamente o que fazer ao se deparar com um paciente de entrada diagnosticado com Síndrome K.

Se qualquer funcionário do hospital tivesse falado e alertado as autoridades alemãs, todo o hospital certamente teria sido enviado para perecer em campos de concentração.

médicos
Stefano Montesi/Corbis via Getty Images. Sobreviventes de Fatebenefratelli se abraçam durante uma reunião no hospital em 21 de junho de 2016.

Os esforços combinados dos médicos Sacerdoti, Borromeo, Ossicini e toda a equipe do hospital só foram revelados 60 anos depois, e Borromeo especificamente foi reconhecido pelo World Holocaust Remembrance Center em outubro de 2004, não apenas por seu trabalho com a Síndrome K, mas por transferir judeus pacientes do gueto para o hospital muito antes da ocupação dos nazistas.

O Hospital Fatebenefratelli foi reconhecido como abrigo para vítimas da perseguição nazista, e foi nomeado “Casa da Vida” em junho de 2016. A cerimônia contou com a presença de Ossicini, na época com 96 anos, junto com alguns dos próprios pessoas que seus esforços heroicos ajudaram a salvar seis décadas antes.

Leia também:

10 armas inventadas durante a Segunda Guerra Mundial

Temporal em Petrópolis, RJ e records de chuvaExpulsos do Big BrotherCuriosidades – GTA V