Como funcionam os placebos?

Há uma razão para comer a canja de galinha da sua avó ou esfregar suas têmporas com óleo essencial de hortelã-pimenta pode fazer você se sentir melhor se estiver doente, e provavelmente não é porque eles são realmente curativos. Seu alívio é provavelmente o resultado do efeito placebo. Mas afinal, como funcionam os placebos?

Como funcionam os placebos?

@ISTOCK

Um placebo é uma substância inerte, como uma pílula de açúcar ou solução salina, que é dada especificamente a um paciente porque não se destina a ter um efeito mensurável em sua fisiologia.

Os placebos são frequentemente usados ​​como controles em ensaios clínicos e experimentos para definir uma linha de base para comparar os efeitos de novos medicamentos e tratamentos médicos. Eles não deveriam ser tratamentos em si.

No entanto, estudos mostram que os placebos não só costumam ter um efeito mensurável nas pessoas que os tomam, mas também podem melhorar a condição de alguém.

Os pesquisadores documentaram esse efeito para o tratamento da dor, síndrome do intestino irritável e doença de altitude, entre outras condições. Mesmo as cirurgias simuladas no joelho demonstraram produzir um alívio da dor quase idêntico à cirurgia real do menisco.

 

Veja também:

Como o cientista que inventou o ibuprofeno descobriu que era ótimo para ressaca

Continue com: Como funcionam os placebos?

O que está acontecendo aqui?

GRANDES EXPECTATIVAS

John Kelley, vice-diretor do Programa de Estudos de Placebo (PiPS) do Beth Israel Deaconess Medical Center da Harvard Medical School, disse que as expectativas do paciente sobre se um medicamento funcionará ou não são fundamentais para o efeito placebo.

Até mesmo a cor e o tamanho das pílulas de placebo afetam o poder dos medicamentos falsos.

As pílulas pequenas e grandes provocam um efeito placebo mais forte do que as de tamanho médio.

As pessoas presumem que uma pílula minúscula “deve ser um remédio realmente poderoso se for tão pequena”, explica Kelley, enquanto uma pílula enorme faz as pessoas pensarem: ‘Uau, há muitos remédios aí. Estou recebendo um grande tratamento.’”

 

Veja também:

Vacinas: veja como funciona a produção

Continue com: Como funcionam os placebos?

 

Outro fator em ação é se um indivíduo teve experiência anterior com a forma de tratamento, chamada de condicionamento, e desenvolveu, portanto, o que Kelley chama de “expectativa consciente” de que funcionará novamente.

Quanto maior o condicionamento, geralmente maior o efeito placebo.

O elemento humano também é fundamental.

O senso do paciente quanto à competência e cordialidade de seu médico e seu conforto no ambiente de tratamento – “uma faculdade de medicina sofisticada e de prestígio versus um consultório em ruínas e de aparência duvidosa”, diz Kelley – podem influenciar o efeito placebo.

A BIOLOGIA DA CRENÇA

Ter uma expectativa de cura leva ao alívio fisiológico dos sintomas porque há um processo biológico que sustenta nossas respostas. “Cada pensamento, emoção e sentimento que temos tem um substrato biológico”, diz Kelley.

Por exemplo, o cérebro de pessoas que receberam placebos para analgésicos demonstrou liberar opioides de ocorrência natural, que fornecem alívio real da dor.

A pesquisa mostrou que a antecipação estimula o sistema de recompensa do cérebro, assim como as drogas opioides.

Além do mais, diz Kelley, em ensaios em que os pacientes foram condicionados a receber alívio da dor com morfina opioide ou placebo e, posteriormente, receberam a droga bloqueadora de opioides Nalaxone, a droga impediu que a morfina e o placebo administrassem aos pacientes alívio da dor.

Os pesquisadores suspeitam que apenas a expectativa de alívio recrutou o cérebro para liberar os opioides endógenos – que foram então bloqueados pelo Nalaxone.

 

Veja também:

Os 8 vírus mais aterrorizantes de todos os tempos

Continue com: Como funcionam os placebos?

 

Da mesma forma, estudos com placebo de medicamentos para Parkinson também descobriram que os cérebros dos pacientes liberam dopamina em resposta aos placebos, aliviando temporariamente sintomas como tremores e músculos rígidos.

Kelley diz que o cérebro provavelmente usa mecanismos diferentes para responder a diferentes condições, o que poderia explicar por que, por exemplo, ele produz opioides endógenos para dor e dopamina para Parkinson.

Os placebos podem funcionar mesmo quando os receptores sabem que estão tomando um placebo.

Esse foi o caso em um estudo seminal envolvendo pacientes com síndrome do intestino irritável, no qual os pesquisadores descobriram que dar pílulas aos pacientes claramente rotuladas como placebos reduziu a gravidade de seus sintomas em comparação com os participantes de controle que não receberam nenhuma pílula.

Mais pesquisas são necessárias para entender por que os placebos podem funcionar mesmo quando sabemos que não deveriam, mas o pesquisador-chefe do estudo IBS, Ted Kaptchuk, também do programa PiPS, disse que “uma relação de confiança entre o médico e o paciente” é provavelmente importante.

Talvez a expectativa de ser cuidado seja o suficiente para trazer alívio para alguns.

Kelley acredita que isso pode se resumir a um tipo de atenção seletiva.

Mesmo que o paciente saiba que está tomando um placebo, ele está “prestando atenção a um conjunto de estímulos e evitando outro”, diz ele, o que redireciona o foco da dor para uma experiência de alívio.

Enquanto os cientistas continuam a desvendar o misterioso poder da mente para influenciar o corpo, da próxima vez que você tiver dor de cabeça, tente um comprimido de açúcar em vez de uma aspirina; não pode doer e pode até ajudar.