Genial.club

A razão por que continuamos caindo em fake news


Era uma vez há muito tempo atrás em que, acreditávamos que havia dois tipos de notícias: boas e más.

Então veio a internet e nós ganhamos uma nova categoria: “notícias falsas”. Cada vez mais os nossos feeds de mídia social eram ocupados por contas de spam que divulgavam informações enganosas ou mentiras que muitos acreditavam ser verdade.

Mas por que essa campanha automatizada de engano funcionou em tantos de nós? Um novo estudo publicado na revista Nature Human Behavior diz que os robôs são apenas parcialmente culpados.

Embora “fake news” possam ser uma palavra da moda, certamente não é uma piada. As informações que recebemos podem mudar a maneira como pensamos, nos comportamos e votamos. Portanto, os cientistas estão trabalhando o mais rápido que podem para compreender e, idealmente, neutralizar o fenômeno antes que ele ganhe mais força.

Alguns estudos descobriram que ideias virais surgem na interseção de redes sociais ocupadas e períodos limitados de atenção. Em um mundo perfeito, apenas histórias factualmente corretas, cuidadosamente relatadas e verificadas se tornariam virais. Mas esse não é necessariamente o caso.

A desinformação e os boatos se espalharam pela Internet, especialmente nas redes sociais, como um incêndio florestal na estação seca.

Para descobrir por quê, os pesquisadores criaram um modelo virtual de redes de compartilhamento de informações. Nessa rede, eles lançaram dois tipos de histórias: de alta qualidade (verdadeiro) e de baixa qualidade (falso).

Em seguida, eles povoaram as redes com usuários reais, agências de notícias e bots de spam. Para manter os feeds de notícias virtuais próximos da vida real, os bots de spam eram mais numerosos e prolíficos do que os pôsteres genuínos.

Os resultados confirmaram o que qualquer usuário do Facebook já sabe: se uma história se torna viral ou não, tem muito pouco a ver se ela é realmente verdadeira. “Melhores [histórias] não têm uma probabilidade significativamente maior de se tornarem populares em comparação com informações de baixa qualidade”, escrevem os autores. “A observação de que as notícias alarmistas e notícias falsas se espalham de forma tão viral quanto informações confiáveis ​​nas mídias sociais online … não é muito surpreendente à luz dessas descobertas.”

Dentro do modelo, uma história viral de sucesso exigia dois elementos: uma rede já inundada de informações e os limites de atenção dos usuários. Quanto mais postagens de bot em uma rede, mais usuários ficam sobrecarregados e é mais provável que notícias falsas se espalhem.

Mesmo os consumidores conscienciosos da mídia podem ser enganados por informações falsas se estiverem com pressa, escrevem os autores. “A quantidade de atenção que uma pessoa dedica à avaliação de informações, ideias e opiniões encontradas nas redes sociais online depende não apenas do indivíduo, mas também de [suas] circunstâncias no momento da avaliação; o mesmo usuário pode ser apressado uma vez e cuidadoso em outra. ”

Qual é a solução?

“Uma forma de aumentar o poder discriminativo das mídias sociais online seria reduzir a carga de informações, limitando o número de postagens no sistema”, dizem eles. “Atualmente, as contas robôs controladas por software constituem uma parte significativa dos perfis online e muitas delas inundam as mídias sociais com grandes volumes de informações de baixa qualidade para manipular o discurso público. Ao conter agressivamente esse tipo de abuso, as plataformas de mídia social podem melhorar a qualidade geral das informações às quais estamos expostos. “


Gostou? Compartilhe com seus amigos!

Oops, você está offline.