Genial.club

A estranha história de uma mulher que era sua própria gêmea


Mulher dá à luz, descobre que sua gêmea é, na verdade, a mãe biológica, mas tecnicamente é sua própria gêmea”

Consegue imaginar uma notícia assim? Pois bem, é real.

O Iluminado

Uma mulher do estado de Washington ficou chocada quando soube que os filhos que deu à luz não eram dela. Descobriu-se que sua irmã gêmea era na verdade a mãe biológica de seus filhos, e isso só gerou mais confusão porque ela não tinha uma irmã gêmea. No final, descobriu-se que a mulher era na verdade sua própria irmã gêmea, confirmada pelos médicos como uma condição médica rara.

A história de Lydia Fairchild é irresistivelmente distorcida.

Como começou

 

Em 2002, Fairchild, mãe de dois filhos e com mais um a caminho, solicitou ajuda pública. Para ter certeza de que seu ex-namorado, Jamie Townsend, era realmente o pai dos filhos, todos foram submetidos a um teste de paternidade.

E foi aí que as coisas ficaram estranhas.

O teste de DNA confirmou que Townsend era o pai, mas mostrou que Fairchild não era a mãe. Depois que o estado – suspeitando de Fairchild ou de fraude na previdência ou pior – monitorou o nascimento de seu terceiro filho, eles descobriram que Fairchild também não era a mãe genética da criança que ela acabara de dar à luz.

Os promotores ficaram pasmos. Um deles começou a pesquisar a literatura médica e encontrou um caso assustadoramente semelhante em 1998, envolvendo uma mulher de 52 anos chamada Karen Keegan.

Mistério resolvido

 

Os filhos adultos de Keegan foram submetidos a testes genéticos quando sua mãe precisou de um transplante de rim, para ver se eles eram compatíveis. Mas então um teste revelou que seu material genético não se sobrepunha ao de sua mãe.

Um documentário britânico, The Twin Inside Me, explica o que aconteceu a seguir:

Uma série de testes mostrou que Karen era uma ‘quimera’ – um termo derivado da criatura mitológica grega que era uma mutação de mais de um animal. Logo após a concepção, o ovo feminino que viria a se tornar Karen fundiu-se com outro ovo feminino. Como resultado, o ovo fundido continha dois projetos de DNA totalmente separados que foram combinados em Karen. Isso significa que, biologicamente, Karen é mais de uma pessoa.

O DNA deveria ser nosso cartão de visita biológico único – é por isso que às vezes é tão crucial em investigações criminais. Mas quando uma pessoa é uma quimera, ela tem mais de uma assinatura de DNA.

Você pode ser seu próprio gêmeo também

 

Embora as histórias de Lydia Fairchild e Karen Keegan pareçam estranhas uma vez na vida, a biologia básica do quimerismo – quando uma pessoa tem as células de duas ou mais pessoas em seu corpo – não é tão incomum quanto você pode pensar.

Os números podem parecer ilusórios, mas a maioria – senão todos – os humanos são provavelmente um pouco quiméricos, uma vez que mães e fetos comumente trocam células durante a gravidez.

Um gêmeo absorvendo completamente outro no útero, como provavelmente aconteceu com Keegan e Fairchild, é raro. Mas está se tornando mais comum, pois a fertilização in vitro aumenta a chance de gêmeos e, portanto, o quimerismo também.

Uma quimera de um gêmeo macho e uma fêmea pode se tornar hermafrodita; se os gêmeos forem do mesmo sexo, a criança pode ter manchas de pele ou olhos de cores diferentes, mas de outra forma provavelmente parecerá normal. Na ausência de extensos testes de DNA, ele ou ela provavelmente nunca saberá.

Um esfregaço de bochecha pode fazer parecer que eles são uma pessoa, enquanto as células cervicais – que eventualmente ligaram Fairchild a seus filhos – podem fazer parecer que são outra pessoa.

 


Gostou? Compartilhe com seus amigos!

Oops, você está offline.