9 coisas estranhas que você veria em um hospital em 1900

A tecnologia hospitalar já percorreu um longo caminho desde o início do século XX. Esses antigos produtos básicos de todas as enfermarias e salas de cirurgia praticamente desapareceram. Veja aqui 9 coisas estranhas que você veria em um hospital em 1900:

Uma equipe de cirurgiões trabalha em um paciente na sala de operações do Charing Cross Hospital, em Londres, enquanto homens na galeria observam o procedimento. TIME LIFE PICTURES / O COLETOR DE IMPRESSÃO / ARQUIVO HULTON / IMAGENS GETTY

 

ROUPAS DE RUA NAS SALAS DE OPERAÇÃO

Em 1900, os médicos entenderam que a limpeza das salas de cirurgia era uma parte importante para conter a infecção e a transmissão de germes. Infelizmente para os pacientes, eles ainda não dominavam a arte de criar ambientes cirúrgicos estéreis.

Os cirurgiões realizaram procedimentos em seus sapatos normais e roupas com a parte de cima um pouco mais do que um avental de açougueiro – não para proteger o paciente, mas para evitar que suas roupas fiquem muito ensanguentados.

 

Veja também:

Qual é o tipo de sangue mais raro do mundo?

Continue com: 9 coisas estranhas que você veria em um hospital em 1900

 

MÃOS E FACES NUAS

Embora as luvas de borracha tenham sido inventadas no século 19, seu uso realmente não decolou em 1900. Os cirurgiões esfregavam as mãos completamente antes do procedimento e depois começavam a trabalhar com as próprias mãos.

Da mesma forma, as máscaras cirúrgicas que são comuns hoje em dia ainda estavam a décadas de uso generalizado.

SALAS DE CIRURGIA ABERTAS AOS ESPECTADORES

A sala de operações de um hospital de Londres, por volta de 1900. LONDON STEREOSCOPIC COMPANY / HULTON ARCHIVE / GETTY IMAGES

A equipe cirúrgica não estava sozinha no rastreamento de contaminantes na sala de cirurgia. Ao contrário das modernas salas de cirurgia escrupulosamente esterilizadas, no século 19 e no início do século 20 muitos procedimentos ocorreram em grandes salas de cirurgia ao ar livre, sem nenhuma barreira entre o paciente e os espectadores em roupas normais.

Uma vez que as primeiras luzes elétricas nem sempre emitiam luz suficiente para a cirurgia, essas salas de operação frequentemente incluíam grandes janelas para permitir a entrada de luz solar extra.

ASPIRAÇÃO MANUAL

Se um cirurgião precisar de uma visão clara e sem sangue da área em que a operação está sendo realizada, ele ou ela pode usar a sucção para remover o sangue da área.

Em operações modernas, essa tarefa é realizada por sistemas de vácuo movidos a eletricidade, mas em 1900 exigia graxa de cotovelo: normalmente, um membro da equipe operacional acionava furiosamente uma bomba de sucção mecânica para dar ao cirurgião uma visão mais clara.

ANESTESIA INALADA

Ser submetido a uma cirurgia é bastante simples para a maioria dos pacientes modernos: uma dose de medicamentos é administrada por via intravenosa e o paciente adormece.

Em 1900, as coisas não eram tão fáceis. O éter inalado era o anestésico de escolha no início do século 20 e, embora funcionasse, logo caiu em desuso à medida que surgiam opções intravenosas mais versáteis e menos inflamáveis.

ENFERMEIRAS QUE USAM CAPS

Um coral de enfermeiras atende fora de um hospital de Londres. HULTON ARCHIVE / GETTY IMAGES

Até a década de 1980, um pequeno boné branco empoleirado no topo da cabeça fazia parte do uniforme padrão da enfermagem. A tampa não era apenas decorativa. Isso mantinha o cabelo comprido fora do caminho da enfermeira e oferecia aos pacientes uma dica visual de que a pessoa que cuidava deles era uma enfermeira qualificada.

No entanto, à medida que as enfermeiras passaram a usar aventais em vez de uniformes brancos formais, seus bonés foram deixados de lado.

PACIENTES COM TUBERCULOSE INVOLUNTARIAMENTE ADIMITIDOS

À medida que a tuberculose se espalhava pela cidade de Nova York no final do século 19, em 1893, as autoridades de saúde pública começaram uma campanha agressiva para conter a propagação da doença.

Além de educar os pacientes sobre como prevenir novas infecções, as autoridades poderiam remover os pacientes infecciosos de suas casas à força e confiná-los em hospitais. Embora a medida pareça extrema, funcionou.

ESTERILIZADORES DE ÁGUA FERVENTE

Em uma sala de cirurgia do início do século 20, você poderia ter avistado instrumentos cirúrgicos em uma panela com água fervente para esterilizá-los. Embora essa técnica seja um tanto eficaz em matar os germes, a simples fervura em água pode permitir que alguns esporos sobrevivam.

Hoje, os hospitais usam uma combinação de vapor e pressão em uma autoclave para desinfetar implementos de maneira mais completa.

ESTÁBULOS

Uma ambulância puxada por cavalos do lado de fora do Hospital Bellevue da cidade de Nova York em 1895. A COLEÇÃO BYRON / MUSEU DA CIDADE DE NOVA IORQUE / NEW YORK TIMES, PUBLIC DOMAIN // WIKIMEDIA COMMONS

A ambulância motorizada fez sua estreia em 1899, quando um hospital de Chicago adotou uma versão elétrica, e a descoberta chegou à cidade de Nova York no ano seguinte, mas a grande maioria dos pacientes de emergência em 1900 foi para o hospital em cavalos puxados a cavalo ambulâncias.

Os principais hospitais tinham seus próprios estábulos especializados, nos quais arreios de cavalos pendiam do teto. Quando uma chamada de emergência veio, os motoristas largaram os arreios de amarração rápida em sua equipe em poucos segundos e decolaram para o local.

Mesmo quando os automóveis ganharam popularidade, as ambulâncias puxadas por cavalos persistiram. Alguns dos maiores hospitais de Nova York ainda os usavam até 1923. Os funcionários da saúde pública ficaram maravilhados com o desenvolvimento, uma vez que os poupou do trabalho dos estábulos operacionais e das condições nada higiênicas que acompanhavam os cavalos aquartelado próximo aos pacientes.