8 rotas comerciais que moldaram a história mundial

Rotas de comércio surgiram ao longo da história antiga, unindo locais de produção a locais de comércio. As raras mercadorias disponíveis apenas em determinados locais, como sal ou especiarias, eram o maior impulsionador das redes de comércio, mas, uma vez estabelecidas, essas estradas também facilitaram as trocas culturais – incluindo a disseminação da religião, ideias, conhecimento e às vezes até bactérias. Aqui estão 8 rotas comerciais que moldaram a história mundial: 

A estrada da seda

8 rotas comerciais que moldaram a história mundial

Turistas em uma caravana de camelos exploram as dunas ao redor da cidade de Dunhuang, ao longo da antiga Rota da Seda. @Tiago Fernandez/ISTOCK

A Rota da Seda é a rota comercial antiga mais famosa, ligando as principais civilizações antigas da China e do Império Romano. A seda foi comercializada da China para o Império Romano, em troca de lã, prata e ouro vindos da Europa.

Além de fomentar o comércio, a Rota da Seda também se tornou uma rota vital para a disseminação de conhecimento, tecnologia, religião e artes, com muitos centros comerciais ao longo da rota, como Samarkand no atual Uzbequistão, também se tornando importantes centros de troca intelectual.

A Rota da Seda se originou em Xi’an, China, e viajou ao longo da Grande Muralha da China antes de cruzar as montanhas Pamir para o Afeganistão e para o Levante, onde as mercadorias eram carregadas em navios com destino aos portos do Mediterrâneo. Era raro para os comerciantes viajarem 6500 km completos, então a maioria exerceu seu comércio em seções da rota.

Quando o Império Romano desmoronou no século IV dC, a Rota da Seda tornou-se insegura e caiu em desuso até o século 13, quando foi revivida sob os mongóis. O explorador italiano Marco Polo seguiu a Rota da Seda durante o século 13, tornando-se um dos primeiros europeus a visitar a China.

Mas a famosa rota pode ter espalhado mais do que ligações comerciais e interculturais – alguns cientistas acham que foram os mercadores que viajavam ao longo da rota que espalharam a bactéria da peste que causou a Peste Bubônica.

As rotas de especiarias

8 rotas comerciais que moldaram a história mundial

Portugal tinha uma presença significativa na Ásia e mantinha o monopólio do comércio de especiarias. @WIKIMEDIA COMMONS // PUBLIC DOMAIN

Ao contrário da maioria das outras rotas comerciais nesta lista, as Rotas das Especiarias eram caminhos marítimos que ligavam o Oriente ao Ocidente.

Pimenta, cravo, canela e noz-moscada eram mercadorias muito procuradas na Europa, mas antes do século 15, os intermediários árabes e norte-africanos controlavam o acesso ao comércio com o Oriente, tornando essas especiarias extremamente caras e raras.

Com o alvorecer da Era da Exploração (séculos 15 a 17), à medida que novas tecnologias de navegação tornaram possível navegar por longas distâncias, os europeus foram para os mares para estabelecer relações comerciais diretas com a Indonésia, China e Japão.

Alguns argumentaram que foi o comércio de especiarias que impulsionou o desenvolvimento de barcos mais rápidos, incentivou a descoberta de novas terras e fomentou novas relações diplomáticas entre o Oriente e o Ocidente (foi parcialmente com as especiarias em mente que Cristóvão Colombo partiu em sua famosa viagem em 1492).

Os holandeses e ingleses lucraram especialmente com o controle do comércio de especiarias na Indonésia moderna, particularmente na área conhecida como Molucas, ou Ilhas das Especiarias, que era a única fonte de noz-moscada e cravo-da-índia naquela época.

Guerras foram travadas, terras colonizadas e fortunas feitas com o comércio de especiarias, tornando esta rota comercial uma das mais significativas em termos de globalização.

 

Veja também:

Quando o Krakatoa explodiu: como a erupção de 1883 mudou o mundo

Continue com: 8 rotas comerciais que moldaram a história mundial

 

A rota do incenso

A Rota do Incenso foi desenvolvida para transportar olíbano e mirra, que só são encontrados no extremo sul da Península Arábica (atual Iêmen e Omã). O olíbano e a mirra são derivados da seiva da árvore que seca ao sol; essas pepitas de seiva podem então ser queimadas como incenso ou usadas como perfume, e também eram populares em rituais de sepultamento para ajudar no embalsamamento.

O camelo foi domesticado por volta de 1000 AC e esse desenvolvimento permitiu aos árabes começar a transportar seu valioso incenso para o Mediterrâneo, um importante centro comercial.

O olíbano e a mirra tornaram-se uma mercadoria importante para os romanos, gregos e egípcios – dizia-se que o imperador romano Nero mandou queimar uma colheita de um ano inteiro de olíbano no funeral de sua amada amante.

O comércio floresceu e a rota terrestre, em seu auge, viu 3000 toneladas de incenso comercializadas ao longo de sua extensão todos os anos. O historiador romano Plínio, o Velho, escreveu que levou 62 dias para completar a rota, embora esteja claro que às vezes a rota exata mudou quando assentamentos gananciosos exigiram impostos muito altos das caravanas que passavam.

No primeiro século, essa antiga rota terrestre era em grande parte redundante, pois o design aprimorado dos barcos tornava as rotas marítimas mais atraentes.

A estrada do âmbar

Um pedaço de âmbar do Báltico contendo insetos preservados. @ANDERS L. DAMGAARD, WIKIMEDIA COMMONS // CC BY-SA 4.0

O âmbar é comercializado desde cerca de 3000 aC, com evidências arqueológicas revelando que contas de âmbar do Báltico chegaram até o Egito. Os romanos, que valorizavam a pedra tanto para fins decorativos quanto medicinais, desenvolveram uma estrada de âmbar ligando o Báltico ao resto da Europa.

Grandes depósitos de âmbar são encontrados sob o Mar Báltico, formados há milhões de anos quando as florestas cobriam a área. O âmbar chega à costa após as tempestades e pode ser colhido nas praias do Báltico, que é como muitos comerciantes locais de âmbar desenvolveram seus negócios.

No entanto, durante as cruzadas nos séculos 12 e 13, o Báltico se tornou uma importante fonte de renda para os Cavaleiros Teutônicos, que receberam o controle da região produtora de âmbar.

Os cavaleiros perseguiram os prussianos brutalmente e mataram qualquer pessoa que tentasse colher ou vender âmbar. Hoje, você pode encontrar vestígios da antiga Amber Road na Polônia, onde uma das principais rotas é conhecida como a “Amber Highway”.

Rota do chá e do cavalo (Tea-horse road)

Esta rota antiga serpenteia precipitadamente por mais de 9500 km, através das montanhas Hengduan – uma importante área produtora de chá na China – e para o Tibete e Índia. A estrada também atravessa numerosos rios, tornando-se uma das mais perigosas das antigas rotas de comércio.

Os principais produtos que percorriam a rota eram o chá chinês e os cavalos de guerra tibetanos, com o comércio direto de chá por cavalos e vice-versa sendo o principal objetivo dos mercadores que traçavam a rota.

Partes da rota foram usadas a partir de c.1600 aC, mas as pessoas começaram a usar todo o caminho para o comércio por volta do século sétimo dC, e o comércio em grande escala começou a acontecer a partir da dinastia Song (960-1279).

Pelo menos uma pesquisa sugere que entre 960-1127, cerca de 20.000 cavalos de guerra tibetanos foram negociados ao longo da rota todos os anos em troca de 8.000 toneladas de chá de dar água na boca. À medida que as rotas marítimas se tornaram mais populares, a importância da estrada diminuiu.

Mas durante a Segunda Guerra Mundial, ele mais uma vez ganhou importância quando os japoneses bloquearam muitos portos marítimos, e a Estrada do chá e do cavalo tornou-se uma rota chave para suprimentos que viajavam entre o interior da China e a Índia.

A rota do sal

Salinas em Malta. @Domínio Público

O sal há muito é um bem precioso – ele tem sido usado para dar sabor e preservar alimentos e como antisséptico, por exemplo. Mas o sal era uma mercadoria escassa na antiguidade, de modo que as áreas ricas no mineral se tornaram importantes centros comerciais. As rotas que conectam esses centros a outros assentamentos também se tornaram comuns.

Das muitas rotas que surgiram, uma das mais famosas foi a Romana Via Salaria (Rota do Sal), que ia de Ostia, perto de Roma, através da Itália até a costa do Adriático. O sal era tão precioso que constituía uma parte do salário de um soldado romano.

É disso que obtemos a palavra salário (de sal, a palavra latina para sal) e a frase “não vale o seu sal” – esta última porque o sal de um soldado era reduzido se ele não trabalhasse duro.

Outra rota importante do sal pela Europa era a Old Salt Road. Este caminho se estendia por 100 km de Lüneburg, no norte da Alemanha, que era uma das fontes de sal mais abundantes no norte da Europa, até Lübeck, na costa norte da Alemanha.

Durante a Idade Média, esta rota tornou-se vital para fornecer sal às frotas pesqueiras que partiram da Alemanha para a Escandinávia, já que as tripulações utilizavam o sal para preservar a preciosa pesca de arenque.

Um carrinho entregando sal levaria cerca de 20 dias para atravessar a Old Salt Road, e muitas cidades ao longo do caminho enriqueceram com a cobrança de impostos e taxas sobre os vagões à medida que eles passavam.

 

Veja também:

Os 7 piores empregos de Londres da era vitoriana

Continue com: 8 rotas comerciais que moldaram a história mundial

 

A rota comercial trans saariana

A Rota Comercial Trans saariana do Norte da África à África Ocidental era na verdade composta de várias rotas, criando um cruzamento de ligações comerciais através da vasta extensão do deserto. Essas rotas comerciais surgiram pela primeira vez no século IV dC.

Por volta do século 11, caravanas compostas por mais de mil camelos transportavam mercadorias através do Saara. Ouro, escravos, sal e tecido eram comercializados ao longo da rota, assim como objetos como penas de avestruz e armas europeias.

A rota comercial foi fundamental para a disseminação do Islã dos berberes do Norte da África para a África Ocidental, e com o Islã vieram o conhecimento, a educação e a língua árabe.

A rota comercial Trans saariana também encorajou o desenvolvimento de sistemas monetários e a construção do Estado, à medida que os governantes locais viam o valor estratégico de trazer grandes extensões de terra e, portanto, suas mercadorias, sob seu controle.

No século 16, quando os europeus começaram a ver o valor dos produtos africanos, as rotas comerciais do Trans Saara foram ofuscadas pelo comércio transatlântico controlado pela Europa, e a riqueza foi transferida do interior para as áreas costeiras, tornando a perigosa rota do deserto menos atraente.

A rota do estanho

8 rotas comerciais que moldaram a história mundial

Uma mina de estanho abandonada na Cornualha, Inglaterra. @Edmund Shaw, GEOGRAPH // CC BY-SA 2.0

A última dessas 8 rotas comerciais que moldaram a história mundial: Da Idade do Bronze à Idade do Ferro, a Rota do Estanho foi uma importante artéria que proporcionou aos primeiros povoados acesso a um ingrediente vital para a fabricação de metal: o estanho.

O cobre deve ser ligado ao estanho para fazer o bronze, um avanço que ocorreu no Oriente por volta de 2.800 aC e criou um metal mais forte e melhor do que o tipo usado anteriormente. Essa nova tecnologia gerou demanda pelo estanho e, como não é encontrado em muitos lugares, o recurso tornou-se um importante item de comércio.

Uma dessas rotas de estanho floresceu no primeiro milênio. Estendeu-se desde as minas de estanho na Cornualha, no extremo sudoeste da Grã-Bretanha, passando pelo mar até a França e depois pela Grécia e além. A evidência dessa rota é fornecida pelos muitos fortes nas colinas que surgiram ao longo do caminho como feitorias.

Os historiadores acreditam que o comércio ocorre tanto para cima quanto para baixo nesta rota, já que os fortes das colinas fornecem evidências de artefatos exóticos, incluindo coral e ouro. Nenhum relato escrito sobreviveu desse período, mas o registro arqueológico mostra que a tecnologia e a arte percorreram a rota entre o norte da Europa e o Mediterrâneo ao lado do estanho – fornecendo assim um elo vital em toda a Europa.