Genial.club

7 pessoas mortas por instrumentos musicais


Estamos acostumados a entender isso no sentido figurado. Alguém “arrasa” na guitarra, é um pianista “matador” ou quer “morrer” ouvindo uma música milagrosa. A história, entretanto, é surpreendentemente rica com exemplos de pessoas realmente mortas por instrumentos musicais.

Alguns foram espancados e outros esmagados; outros foram apagados pelo simples esforço de se apresentar ou enquanto um instrumento era tocado diabolicamente para encobrir o crime. Abaixo estão sete pessoas que encontraram seu fim graças a um instrumento musical.

ELIZABETH JACKSON – ESPANCADA COM UMA FLAUTA
Uma flauta alemã. THE CROSBY BROWN COLLECTION OF MUSICAL INSTRUMENTS (1889), METROPOLITAN MUSEUM OF ART // PUBLIC DOMAIN

David Mills estava praticando sua flauta na noite de 25 de março de 1751, quando teve uma acalorada discussão com a criada Elizabeth Jackson. Ela jogou um castiçal em Mills depois que ele disse algo rude. Ele retaliou batendo em sua têmpora esquerda com sua flauta antes que o porteiro e o lacaio as separassem.

Jackson viveu mais quatro horas, capaz de andar, mas não de falar corretamente. Seus colegas servos decidiram sangrá-la, um tratamento infelizmente ineficaz para fraturas no crânio.

“Seu corpo era extremamente magro”, testemunhou o cirurgião no julgamento de Mills.

LOUIS VIERNE – ESGOTADO POR UM RECITAL DE ÓRGÃO
Louis Vierne toca órgão de St.-Nicolas du Chardonnet em Paris, França. FONTE: GALLICA.BNF.FR, BIBLIOTHÈQUE NATIONALE DE FRANCE // DOMÍNIO PÚBLICO

Com fama de ser o rei dos instrumentos, o órgão requer um artista com resistência atlética – mais do que Louis Vierne, de 67 anos, teve que dar durante um recital na catedral de Notre Dame em 2 de junho de 1937.

Ele desmaiou (provavelmente de um ataque do coração) após tocar o último acorde de uma peça. Com uma apreciação gaulesa da tragédia, um frequentador de concertos observou que a peça “tem um título que, dadas as circunstâncias, parece destino e assume um significado estranhamente perturbador: ‘Lápide para uma criança morta’!”

Quando os pés sem vida de Vierne caíram sobre a pedaleira, “um gemido baixo foi ouvido do admirável instrumento, que parecia chorar por seu mestre”, escreveu o frequentador do concerto.

JAMES “JIMMY THE BEARD” FERROZZO – ESMAGADO POR UM PIANO
O exterior do Condor Club em 1973. MICHAEL HOLLEY, WIKIMEDIA COMMONS // PUBLIC DOMAIN

Ser esmagado por um piano costuma ser coisa de desenho animado, mas o que aconteceu com James Ferrozzo é de alguma forma ainda mais estranho que um desenho animado.

“Uma dançarina nua e gritando encontrada presa sob o corpo esmagado de um homem em um truque de piano preso contra o teto de uma boate estava bêbada demais para se lembrar de como ela chegou lá”, relatou a AP no dia seguinte ao incidente de 1983.

A dançarina era uma nova funcionária do Condor Club de San Francisco (considerada uma das primeiras, senão a primeira, bar de topless). O homem era seu namorado, o segurança do clube. E o truque do piano era parte da atuação da pioneira da dança em topless Carol Doda.

Durante o encontro de Ferrozzo com a dançarina, o interruptor do piano foi de alguma forma ativado, erguendo-o parcialmente para o céu antes que o contato mortal com o teto o enviasse para o resto do caminho.

LINOS – MORTO COM UMA LIRA
Um aluno e seu professor de música segurando uma lira – potencialmente Hércules e Linos. PETIT PALAIS, WIKIMEDIA COMMONS // CC BY 2.5

Um dos maiores professores de música da mítica Grécia Antiga, Linos aceitou Hércules como aluno. De acordo com o historiador Diodorus Siculus, o semideus “foi incapaz de apreciar o que lhe foi ensinado por causa de sua lentidão de alma” e, portanto, após uma dura reprimenda, ele ficou furioso e espancou Linos até a morte com sua lira.

Hércules, duvidosamente, usou uma espécie de lei antiga como defesa durante o julgamento e foi exonerado. Pobre Linos: um homem honesto derrotado por uma lira.

SOPHIA RASCH – SUFOCADA ENQUANTO UM PIANO ABAFOU SEUS GRITOS
PIXABAY, PEXELS

Ninguém prova melhor a piada de George Bernard Shaw de que “o inferno está cheio de amadores musicais” do que Susannah Koczula. “Já vi Susannah tentando tocar piano várias vezes – ela não sabia tocar”, testemunhou Carl Rasch, de 10 anos, no julgamento de Koczula em 1894.

Susannah, a cuidadora do Rasch, distraiu o pequeno Carl, a irmã Clara e sua amiga do bairro Woolf com uma performance improvisada enquanto uma cena horrível se desenrolava no andar de cima: o marido de Koczula amarrou e sufocou a mãe de Carl e Clara, Sophia Rasch, antes de fugir com suas joias “Ela bateu no piano”, explicou Woolf. “Eu não ouvi nenhum alô.”

MARIANNE KIRCHGESSNER – UMA DESORDEM NERVOSA ADQUIRIDA TOCANDO HARMÔNICA DE VIDRO
De acordo com um médico, o instrumento de Ben Franklin causou “um grande grau de fraqueza nervosa”. JI-ELLE, WIKIMEDIA COMMONS // CC BY-SA 3.0

Benjamin Franklin inventou a gaita de vidro, ou harmônica, em 1761, desencadeando um flagelo mortal sobre o mundo musical. “Foi proibido em vários países pela polícia”, escreveu o historiador musical Karl Pohl em 1862, enquanto Karl Leopold Röllig advertiu em 1787 que “Não são apenas as ondas suaves de ar que enchem os ouvidos, mas as vibrações encantadoras e o esforço constante de as bacias sobre os já delicados nervos dos dedos que se combinam para produzir doenças que são terríveis, talvez até fatais.”

Em 1808, quando Marianne Kirchgessner, a maior virtuose da harmônica de vidro na Europa, morreu aos 39 anos, muitos suspeitaram de nervosismo causado por tocar o instrumento.

CHARLES RATHERBEE – DOENÇA PULMONAR POSSIVELMENTE CAUSADA AO TOCAR TROMBETA
Uma trombeta de válvula feita por Elbridge G. Wright, por volta de 1845. COMPRA, ROBERT ALONZO LEHMAN BEQUEST (2002), MUSEU DE ARTE METROPOLITANO // DOMÍNIO PÚBLICO

Em um dia de verão de 1845, Charles Ratherbee, um trompetista, brigou com Joseph Harvey, que alugou um espaço em um jardim de Ratherbee e estava plantando sementes onde o trompetista planejava plantar batatas. Quando confrontado, Harvey ficou chateado e derrubou Ratherbee no chão com o cotovelo. Duas semanas e cinco dias depois, Ratherbee estava morto.

Harvey foi preso pela morte de Ratherbee, mas um médico localizou outro assassino: uma doença pulmonar não diagnosticada que piorou com sua carreira musical. “O toque de uma trombeta aumentaria decididamente [a doença]”, testemunhou o cirurgião no julgamento de Harvey por homicídio culposo. Quando questionado se ele estava “em condições de tocar uma trombeta”, o cirurgião respondeu sem rodeios: “Não”. Harvey foi absolvido e condenado a pena suspensa por agressão. A trombeta nunca foi acusada.

 


Gostou? Compartilhe com seus amigos!

Oops, você está offline.