Genial.club

5 coisas surpreendentes que quebraram a velocidade do som


Você já deve saber que, em 1947, o piloto de testes dos EUA, Chuck Yeager foi a primeira pessoa a quebrar a barreira do som em um Bell X-1 chamado Glamorous Glennis. Mas as aeronaves não são as únicas coisas que quebram a barreira do som. Aqui estão alguns outros itens que podem surpreendê-lo.

PESSOAS

Quando Felix Baumgartner saltou de um balão 38.969,4 metros acima do Novo México em 2012, ele quebrou mais do que o recorde mundial de queda livre mais alta de todos os tempos. Cerca de um terço da descida, Baumgartner atingiu Mach 1.357,6 km/h, e ao fazer isso se tornou a primeira pessoa a quebrar a barreira do som em queda livre.

BOLAS DE PING PONG

[vídeo em inglês]

Qualquer pessoa que já assistiu aos melhores jogadores de tênis de mesa em ação sabe que eles acertam a bola com força e que ela se desloca quase rápido demais para ser vista. Mas mesmo isso empalidece em comparação com o canhão movido a ar construído em 2013 por estudantes da Universidade Purdue de Indiana, que disparou bolas de pingue-pongue a mais de 1448,41 km/h.

“Você pode obter acelerações muito, muito altas, a bola sai do cano intacta e não quebra até atingir algo”, diz o engenheiro mecânico Mark French Inside Science. O canhão usava uma bomba de vácuo para sugar o ar de um tubo selado, o ar corria para um bico em forma de ampulheta e o bico impulsionava as bolas de pingue-pongue em velocidade supersônica.

Surpreendentemente, devido ao seu peso leve e baixa aerodinâmica, as bolas de pingue-pongue entregaram ao alvo tanta energia quanto um tijolo caindo vários andares.

CHICOTES

Você sabe aquele barulho que um chicote faz quando é usado com raiva por um especialista? É um estrondo sônico, a onda de choque criada quando a ponta do chicote quebra a barreira do som. Ou, pelo menos, essa tinha sido a presunção até que pesquisadores da Universidade do Arizona estragaram tudo para todos.

Eles ficaram intrigados sobre por que, se o estalo é um estrondo sônico, ele não ocorre até que a ponta do chicote esteja viajando a quase duas vezes a velocidade do som. Acontece que o ruído de estalo é, na verdade, criado por um loop que viaja ao longo do chicote, ganhando velocidade. E quando atinge a velocidade do som, ele cria um estrondo sônico.

UMA TOALHA

Brincar com uma toalha no vestiário é perigoso – você pode, com toda a seriedade, arrancar o olho de alguém. O motivo de ser tão perigoso tem em parte a ver com a velocidade com que a ponta da toalha se desloca. Como um chicote, ele vai muito rápido.

Em 1993, um grupo de alunos da Escola de Ciências e Matemática da Carolina do Norte começou a provar que uma toalha bem passada poderia quebrar a barreira do som. Eles montaram um kit de fotografia de alta velocidade que permitiria medir a distância que a ponta da toalha estava viajando no momento em que pensaram que a barreira seria quebrada. Após o experimento, parecia que eles haviam conseguido quebrar a barreira – mas os alunos sentiram que seus resultados foram inconclusivos.

Então, eles ajustaram a configuração experimental (e, de acordo com algumas fontes, trocaram a toalha por um lençol cortado), o que acabou permitindo que quebrassem a barreira do som. Mas havia outra advertência: a equipe avisou que ainda conseguia encaixar quando não parecia que eles haviam quebrado a barreira. A teoria era que a câmera deles não era rápida o suficiente para capturar os momentos supersônicos subsequentes, mas permanece um mistério.

AR

Aqui está um estranho para terminar. De acordo com um estudo, quando uma rocha ou outro objeto é lançado na água, uma cavidade de ar em forma de ampulheta é criada, que então ejeta o ar em velocidades maiores do que a velocidade do som.

 


Gostou? Compartilhe com seus amigos!

Oops, você está offline.