Genial.club

15 fatos encantadores sobre os golfinhos


Os golfinhos são conhecidos por serem criaturas inteligentes e brincalhonas que podem aprender a realizar truques impressionantes. Mas você pode não saber que os golfinhos também são campeões de sonecas que ajudaram a Marinha dos Estados Unidos a proteger ogivas nucleares. Aqui estão 15 fatos sobre os cetáceos bonitos e amigáveis.

Os golfinhos são excelentes em cochilar

Como os golfinhos não conseguem respirar debaixo d’água, eles precisam nadar até a superfície do oceano para conseguir ar. Então, como eles dormem sem se afogar?

Essencialmente, os golfinhos são campeões de cochilos poderosos. Em vez de dormir por várias horas seguidas, eles descansam um hemisfério do cérebro por 15 a 20 minutos de cada vez e tiram essas “sonecas” várias vezes ao dia. Ao descansar um hemisfério de seu cérebro por vez, os golfinhos podem continuar nadando, respirando e procurando predadores 24 horas por dia, 7 dias por semana.

Os golfinhos se comunicam com cliques e assobios

ISTOCK

Os golfinhos se comunicam debaixo d’água fazendo uma variedade de vocalizações. Para encontrar presas e navegar no oceano, eles emitem sons de cliques e “falam” com outros golfinhos assobiando.

Os golfinhos também produzem sons altos de pulso intermitente quando se sentem excitados ou agressivos, como quando precisam assustar um tubarão próximo. Algumas fêmeas de golfinhos também produzem pulsação para repreender seus filhotes, por mau comportamento.

Mas a linguagem dos golfinhos permanece um mistério

Embora os cientistas marinhos tenham estudado e registrado as vocalizações dos golfinhos por décadas, muitos aspectos da linguagem dos animais e como eles se comunicam ainda são desconhecidos.

Os cientistas ainda não quebraram as unidades individuais dos sons dos golfinhos e ainda estão procurando por uma Pedra de Roseta que ligue as vocalizações dos animais ao seu comportamento.

Usando novas tecnologias – incluindo algoritmos e gravadores de alta frequência que funcionam debaixo d’água – os cientistas esperam finalmente desvendar o mistério da linguagem dos golfinhos.

Os golfinhos usam eco localização para nadar

Para saber onde estão em relação a outros objetos e animais, os golfinhos usam a eco localização (também conhecido como sonar biológico).

Depois de emitir uma série de cliques agudos, eles ouvem os ecos ricocheteando em seus arredores. Com base nesses ecos, os golfinhos podem julgar onde estão no espaço e determinar o tamanho e a forma dos objetos próximos.

Além de ajudar os golfinhos a fugir de predadores, a eco localização permite que eles capturem e comam peixes e lulas.

Os golfinhos fazem amizade com outros golfinhos

ISTOCK

Os golfinhos são altamente sociais e os cientistas ainda estão descobrindo detalhes fascinantes sobre como os mamíferos aquáticos se socializam.

Em 2015, cientistas do Harbor Branch Oceanographic Institute da Florida publicaram pesquisas no periódico Marine Mammal Science sobre as redes sociais dos golfinhos. Depois de passar mais de seis anos rastreando 200 golfinhos nariz de garrafa na Indian River Lagoon, na Flórida, os cientistas descobriram que os golfinhos têm amigos.

Em vez de passar o mesmo tempo com os golfinhos ao seu redor, os animais segregam-se em grupos de amigos. Assim como os humanos, os golfinhos parecem preferir a companhia de certos pares mais do que de outros.

Cada golfinho responde ao seu próprio nome

Os golfinhos não estão nadando com crachás, mas cada golfinho tem seu próprio apito que é único. Os cientistas acreditam que os golfinhos usam esses assobios para toda a vida, e as fêmeas podem até ensinar seus assobios aos filhotes antes de nascerem.

Os golfinhos usam seus assobios característicos para chamar uns aos outros e podem ser capazes de se lembrar dos assobios de outros golfinhos após décadas de intervalo.

Existem 44 espécies de golfinhos diferentes

ISTOCK

Embora os golfinhos nariz de garrafa sejam os mais conhecidos e reconhecíveis, existem 43 outras espécies de golfinhos.

A maioria das espécies vive em oceanos temperados e tropicais, mas algumas vivem em oceanos ou rios mais frios. Dependendo de sua espécie, os golfinhos podem variar consideravelmente em seus atributos físicos e comportamento.

Por exemplo, a maior espécie de golfinho, a Orca (também chamada de Baleia Assassina), pode ter 9 metros de comprimento – 10 vezes mais do que os menores golfinhos.

Os golfinhos não usam os dentes para mastigar os alimentos

ISTOCK

Os golfinhos têm dentes, mas não usam seus mastigadores para mastigar comida.

Em vez disso, os golfinhos usam seus dentes para capturar presas (peixes, crustáceos e lulas) e engoli-los inteiros. Como eles deixam de mastigar, a digestão ocorre em seu estômago – ou, mais precisamente, em parte do estômago.

Os golfinhos têm várias câmaras estomacais, uma das quais é dedicada à digestão, enquanto as outras armazenam os alimentos antes de serem digeridos.

Tipicamente os golfinhos tem apenas uma cria por vez

ISTOCK

Dependendo de sua espécie, a maioria dos golfinhos fêmeas carrega seus bebês por nove a 17 meses antes de dar à luz um filhote.

Curiosamente, os bebês nascem com o rabo primeiro, ao invés da cabeça, então eles não se afogam durante o processo de parto.

Depois de amamentar por um a dois anos, um golfinho normalmente fica com sua mãe por um a sete anos, antes de acasalar e ter seus próprios filhotes.

A pele de um golfinho pode ser regenerada a cada duas horas

Se você já nadou com golfinhos, sabe que sua pele parece e é super macia e elegante.

Há uma razão para isso – a epiderme (camada externa da pele) de um golfinho pode ser removida e substituída por novas células da pele a cada duas horas. Como a pele se regenera com frequência, ela permanece macia e, como muitos cientistas acreditam, reduz o arrasto enquanto nadam.

A Marinha dos EUA treina golfinhos para proteger as armas nucleares

BRIEN AHO, U.S. NAVY / GETTY IMAGES

Apesar da simpatia geral dos golfinhos, alguns deles são treinados para o combate.

O Programa de Mamíferos Marinhos da Marinha do Comando de Sistemas de Guerra Espacial e Naval de San Diego (SPAWAR) treina dezenas de golfinhos nariz-de-garrafa (bem como leões marinhos) para ajudar a Marinha dos EUA. No passado, os militares dos EUA usaram golfinhos em conflitos no Vietnã e no Golfo Pérsico.

Hoje, graças à sua inteligência, velocidade e habilidades de eco localização, os golfinhos são treinados para encontrar nadadores inimigos, localizar minas subaquáticas e proteger arsenais nucleares.

Golfinhos não são iguais a botos

Para o olho destreinado, golfinhos e botos parecem quase idênticos, e muitas pessoas pensam erroneamente que os botos são um tipo de golfinho.

Mas as duas espécies pertencem a famílias completamente diferentes e diferem em seus atributos físicos. Então, como você pode diferenciá-los?

Os golfinhos, que geralmente são maiores que os botos, costumam ter bicos mais longos e nadadeiras dorsais curvas. Os botos, por outro lado, têm barbatanas dorsais mais triangulares, bem como dentes em forma de pá (ao invés de cônicos).

A caça, pesca em excesso e aumento das temperaturas dos oceanos ameaçam os golfinhos

Algumas espécies de golfinhos estão ameaçadas de extinção ou funcionalmente extintas (como o golfinho baiji da China) devido à caça, pesca excessiva e poluição.

Embora a carne do golfinho seja rica em mercúrio, os animais ainda são caçados por sua carne e comidos em partes do Japão e nas Ilhas Faroe da Dinamarca.

A sobrepesca significa que as fontes de alimento dos golfinhos estão diminuindo e alguns deles são apanhados pelas redes de pesca e morrem. Além disso, as mudanças climáticas e o aumento da temperatura dos oceanos estão afastando alguns peixes e lulas de seus habitats naturais, colocando em risco a principal fonte de alimento dos golfinhos.

Um grupo de golfinhos pode ter mais de 1000 integrantes

ISTOCK

Os golfinhos vivem em grupos, chamados de pods, que normalmente contêm dezenas ou centenas de golfinhos. Nadando em um grupo, os golfinhos trabalham juntos para caçar presas, fugir de predadores e cuidar de membros doentes ou feridos.

Mas diferentes pods também podem se fundir, formando um superpod de mais de 1000 golfinhos. Super pods são tipicamente temporários e ocorrem em partes do oceano com comida abundante (e menos competição por lulas saborosas).

O golfinho mais velho em cativeiro viveu até os 61 anos

O tempo de vida dos golfinhos varia muito por espécie. A maioria dos golfinhos na natureza vive por algumas décadas, enquanto aqueles em cativeiro têm uma vida útil drasticamente reduzida e podem viver apenas por alguns anos.

Portanto, é ainda mais chocante que o golfinho mais velho em cativeiro tenha vivido para ser sexagenário. Nellie, um golfinho-nariz-de-garrafa que vivia em um parque de entretenimento marinho na Flórida, nasceu em 1953. Ela apareceu em programas de TV e comerciais e fez truques para os participantes do parque antes de falecer em 2014.


Gostou? Compartilhe com seus amigos!

Oops, você está offline.