13 mitos comuns sobre epilepsia, desmascarados

A verdade sobre uma condição frequentemente mal compreendida, veja aqui 13 mitos comuns sobre epilepsia, desmascarados

Alguns mitos sobre epilepsia têm séculos, mas ainda persistem. Por isso, aqui no Genial.Club queremos dissipar os mitos mais comuns sobre a epilepsia:

Mito 1: se você teve uma convulsão, você tem epilepsia.

Fato: Uma pessoa é diagnosticada com epilepsia quando ela tem duas ou mais convulsões não provocadas (“inesperadas”) que ocorrem com mais de 24 horas de intervalo. Mas quando algo provoca uma convulsão, como consumo excessivo de álcool, privação do sono ou um novo medicamento, isso não está relacionado à epilepsia.

 

Veja também:

O que você deve fazer ao presenciar uma convulsão

Continue com: 13 mitos comuns sobre epilepsia, desmascarados

 

Mito 2: Pessoas com epilepsia são mentalmente doentes ou emocionalmente instáveis.

Fato: Epilepsia é um termo abrangente que cobre muitos tipos de convulsões e distúrbios epilépticos. É um problema funcional e físico, não mental, e tem muitas causas não identificáveis.

Mito 3: Pessoas com epilepsia não são tão inteligentes quanto outras pessoas.

Fato: a epilepsia tem pouco ou nenhum efeito na capacidade de pensar de uma pessoa, exceto durante algumas convulsões, durante um curto período após algumas convulsões e às vezes como um efeito colateral de certos medicamentos antiepilépticos.

Mito 4: Pessoas que têm convulsões não conseguem lidar com trabalhos exigentes e de alta pressão.

Fato: muitas vezes podem, e fazem. A maioria das profissões – incluindo aquelas nas camadas mais altas de negócios, governo, sistema judiciário, esportes e medicina – podem acomodar uma pessoa com epilepsia.

Mito 5: É fácil saber quando uma convulsão está prestes a acontecer.

Fato: ainda não podemos prever quando as convulsões estão começando, embora alguns pacientes digam que podem sentir uma breve sensação dentro de segundos de uma convulsão – que chamamos de “aura”. A pesquisa está em andamento e inclui o treinamento de cães para detectar o início das convulsões.

Mito 6: As convulsões doem.

Fato: a pessoa está inconsciente e não sente dor durante a maioria das crises. Depois disso, o paciente pode sentir desconforto se cair, tiver dores musculares ou se morder a língua (durante uma convulsão de grande mal).

Mito 7: A epilepsia é mais comum em crianças.

Fato: a epilepsia é mais comum em jovens e idosos. No entanto, pode se desenvolver em qualquer idade.

Mito 8: Durante uma convulsão, uma pessoa pode engolir ou engasgar com a língua.

Fato: Impossível. A pior coisa que pode acontecer durante uma convulsão é uma pessoa morder a língua.

Mito 9: Você deve forçar algo na boca de alguém que está tendo um ataque.

Fato: nunca coloque nada na boca de uma pessoa se ela estiver tendo uma convulsão. Isso pode realmente feri-los. Role a pessoa de lado, mantenha-a a uma distância segura de quaisquer objetos próximos e deixe a convulsão seguir seu curso. Se você notar qualquer sinal de sofrimento ou se a convulsão persistir, ligue para a emergência.

Mito 10: A epilepsia não pode ser controlada de forma eficaz.

Fato: Existem muitas maneiras de tratar, minimizar, controlar e até mesmo – nas condições certas – eliminar a epilepsia. Com medicamentos antiepilépticos, é possível controlar as crises epilépticas de forma adequada em quase 70% dos pacientes. Os 30% restantes são possíveis candidatos à cirurgia, mas isso depende de onde a epilepsia se origina no cérebro.

Mito 11: Mulheres com epilepsia não podem ou não devem engravidar.

Fato: a epilepsia geralmente não afeta a capacidade da mulher de conceber e tem um efeito mínimo no desenvolvimento da criança. No entanto, se as mulheres estiverem tomando medicamentos antiepilépticos, o risco de defeitos congênitos varia de 2% a 10%. Esta é uma preocupação maior. As pessoas podem minimizar o risco trabalhando em conjunto com um neurologista e obstetra / ginecologista.

Mito 12: Pessoas com epilepsia irão passá-lo para seus filhos.

Fato: Filhos de pais com algumas formas de epilepsia têm maior risco de desenvolvê-la, mas o risco é muito baixo. Isso ocorre porque um único problema de gene raramente causa epilepsia; geralmente envolve uma combinação de múltiplos defeitos genéticos.

Mito 13: Você não pode viver uma vida plena e normal com epilepsia.

Fato: a epilepsia pode afetar o estilo de vida de uma pessoa, mas você pode viver uma vida plena. Viva a sua vida, mas viva com moderação. Evite extremos no estilo de vida. Antes de começar a fazer algo novo: Pergunte-se: ‘Eu poderia me machucar ou a outra pessoa se tivesse uma convulsão?’ Se a resposta for ‘sim’ e as convulsões não forem bem controladas, as pessoas devem evitar a atividade ou seja muito cauteloso.