10 tratamentos psiquiátricos absurdos da história

Ninguém jamais afirmou que uma visita ao médico era uma maneira agradável de passar o tempo. Mas se você é tímido em mergulhar no divã de um psiquiatra ou paranoico em tomar pílulas, lembre-se: poderia ser pior. Como fazer um buraco-no-crânio pior. Veja aqui 10 tratamentos psiquiátricos absurdos da história:

COMA-TERAPIA DE INSULINA

A tendência da terapia do coma começou em 1927. O médico vienense Manfred Sakel acidentalmente deu a um de seus pacientes diabéticos uma overdose de insulina, e isso a deixou em coma.

Mas o que poderia ter sido uma grande gafe médica se transformou em um triunfo.

A mulher, viciada em drogas, acordou e declarou que seu desejo de morfina havia desaparecido. Mais tarde, Sakel (que realmente não está ganhando nossa confiança aqui) cometeu o mesmo erro com outro paciente – que também acordou alegando estar curado.

Em pouco tempo, Sakel estava testando intencionalmente a terapia com outros pacientes e relatando uma taxa de recuperação de 90 por cento, particularmente entre esquizofrênicos.

Estranhamente, porém, os sucessos do tratamento de Sakel permanecem um mistério.

Presumivelmente, uma grande dose de insulina faz com que os níveis de açúcar no sangue despenquem, o que deixa o cérebro sem comida e leva o paciente ao coma.

Mas ninguém sabe por que esse estado inconsciente ajudaria pacientes psiquiátricos.

Apesar disso, a popularidade da terapia com insulina diminuiu, principalmente porque era perigosa. Entrar em coma não é um passeio no parque, e entre um e dois por cento dos pacientes tratados morreram como resultado.

 

Veja também:

A razão pela qual os médicos usam jaleco branco

Continue com: 10 tratamentos psiquiátricos absurdos da história

 

TREPANAÇÃO

10 tratamentos psiquiátricos absurdos da história

WELLCOME COLLECTION, CC-BY-4.0, WIKIMEDIA COMMONS

A vida antiga não era isenta de riscos. Entre guerras, duelos de bêbados e o ocasional encontro com um porco domesticado inadequadamente, não é surpresa que crânios arcaicos tendam a ter grandes buracos.

Mas nem todos os furos são criados com igual abandono.

Ao longo dos anos, os arqueólogos descobriram crânios marcados por uma lacuna circular cuidadosamente cortada, que mostra sinais de ter sido feita muito antes do falecimento.

Essas fraturas não foram acidentais; eram o resultado de uma das primeiras formas de tratamento psiquiátrico chamada trepanação. A teoria básica por trás dessa “terapia” sustenta que a insanidade é causada por demônios que se escondem dentro do crânio.

Como tal, fazer um buraco na cabeça do paciente cria uma porta pela qual os demônios podem escapar e – voilà! – a loucura vai embora.

Apesar da peculiaridade da teoria e da falta de anestésicos de primeira linha, a trepanação não era de forma alguma um fenômeno limitado.

Do Neolítico ao início do século 20, as culturas em todo o mundo usaram-no como uma forma de curar os pacientes de suas doenças.

Os médicos acabaram eliminando a prática à medida que procedimentos menos invasivos foram desenvolvidos. Por outro lado, nem todos seguiram o exemplo.

Os patronos da Trepanação ainda existem. Na verdade, eles até têm suas próprias organizações, como o International Trepanation Advocacy Group.

TERAPIA ROTACIONAL

O avô de Charles Darwin, Erasmus Darwin, era médico, filósofo e cientista, mas não era particularmente adepto de nenhum dos três.

Consequentemente, suas ideias nem sempre foram levadas a sério. Claro, isso poderia ser porque ele gostava de gravá-los em versos poéticos ruins.

Também pode ser porque suas teorias eram um pouco rebuscadas, como o tratamento do divã. A lógica de Darwin era que o sono podia curar doenças e que girar muito rápido era uma ótima maneira de induzir o sono.

Ninguém prestou muita atenção à ideia de Darwin no início, mas depois o médico americano Benjamin Rush adaptou o tratamento para fins psiquiátricos.

Ele acreditava que girar reduziria o congestionamento do cérebro e, por sua vez, curaria doenças mentais. Ele estava errado. Em vez disso, Rush acabou com pacientes tontos.

Atualmente, as cadeiras rotativas são limitadas ao estudo da vertigem e do enjoo espacial.

HIDROTERAPIA

10 tratamentos psiquiátricos absurdos da história

IMAGENS DE LIVROS DE ARQUIVO DA INTERNET, FLICKR, WIKIMEDIA COMMONS

Se a palavra “hidroterapia” evoca imagens de estrelas de Hollywood preguiçosamente imersas em banhos ricos e perfumados, então você provavelmente não era um paciente psiquiátrico do início do século XX.

Partindo da ideia de que um mergulho na água costuma ser calmante, os psiquiatras de outrora tentaram remediar vários sintomas com tratamentos líquidos correspondentes.

Por exemplo, pacientes hiperativos recebiam banhos quentes e cansativos, enquanto pacientes letárgicos recebiam sprays estimulantes.

Alguns médicos, porém, ficaram um pouco zelosos demais com a ideia, prescrevendo terapias que mais pareciam punição do que panaceia.

Um tratamento envolveu mumificar o paciente em toalhas umedecidas em água gelada.

Outro exigia que o paciente permanecesse continuamente submerso em uma banheira por horas ou até dias – o que pode não soar tão ruim, exceto que eles estavam amarrados e só podiam sair para usar o banheiro.

Finalmente, alguns médicos ordenaram o uso de jatos de alta pressão. Fontes indicam que pelo menos um paciente foi amarrado à parede na posição de crucificação (o que nunca é um bom sinal) e foi bombardeado com água de uma mangueira de incêndio.

Como muitos tratamentos extremos, a hidroterapia acabou sendo substituída por drogas psiquiátricas, que tendiam a ser mais eficazes.

 

Veja também:

O malvado médico da “AIDS”

Continue com: 10 tratamentos psiquiátricos absurdos da história

 

MESMERISMO

Muito parecido com Yoda, o médico austríaco Franz Mesmer (1734-1815) acreditava que uma força invisível impregnava tudo o que existia e que as interrupções nessa força causavam dor e sofrimento.

Mas as ideias de Mesmer teriam sido de pouca utilidade para Luke Skywalker.

Sua teoria básica era que a gravidade da lua afetava os fluidos do corpo da mesma forma que causava as marés do oceano, e que algumas doenças consequentemente aumentavam e diminuíam com as fases da lua.

O dilema, então, era descobrir o que poderia ser feito a respeito dos efeitos perniciosos da gravidade. A solução de Mesmer: use ímãs.

Afinal, gravidade e magnetismo diziam respeito a objetos sendo atraídos um pelo outro. Assim, colocar ímãs em certas áreas do corpo de um paciente pode ser capaz de neutralizar a influência perturbadora da gravidade da lua e restaurar o fluxo normal de fluidos corporais.

Surpreendentemente, muitos pacientes elogiaram o tratamento como uma cura milagrosa, mas a comunidade médica o descartou como uma bobagem supersticiosa e atribuiu o sucesso do tratamento ao efeito placebo.

Mesmer e suas teorias foram desacreditadas no final das contas, mas ele ainda deixou sua marca. Hoje, ele é considerado o pai da hipnose moderna por causa de sua descoberta inadvertida do poder da sugestão.

TERAPIA DA MALÁRIA

WELLCOME IMAGES, CC-BY-4.0, WIKIMEDIA COMMONS

Ah, se estivéssemos falando sobre uma terapia para malária. Em vez disso, trata-se da malária como terapia – especificamente, como tratamento para a sífilis. Não havia cura para a DST até o início dos anos 1900, quando o neurologista vienense Wagner von Jauregg teve a ideia de tratar portadores de sífilis com sangue infectado com malária.

Previsivelmente, esses pacientes desenvolveriam a doença, que causaria uma febre extremamente alta que mataria a bactéria da sífilis.

Depois que isso aconteceu, eles receberam quinino, um remédio para malária, que se curaram e foram mandados para casa felizes e saudáveis.

O tratamento teve sua cota de efeitos colaterais – aquela febre alta constante e desagradável, por exemplo – mas funcionou, e foi muito melhor do que morrer.

Na verdade, Von Jauregg ganhou o Prêmio Nobel pela terapia da malária, e o tratamento continuou em uso até que o desenvolvimento da penicilina surgiu e deu aos médicos uma maneira melhor e mais segura de curar as DST.

CONVULSÕES INDUZIDAS QUIMICAMENTE

Ninguém nunca disse que os médicos tinham uma lógica perfeita. Um bom exemplo: terapia de convulsão. O patologista húngaro Ladislas von Meduna foi o pioneiro da ideia.

Ele raciocinou que, como a esquizofrenia era rara em epilépticos e porque os epilépticos pareciam extremamente felizes após os ataques, então, dar ataques aos esquizofrênicos os deixaria mais calmos.

Para fazer isso, von Meduna testou várias drogas indutoras de convulsões (incluindo candidatos divertidos como estricnina, cafeína e absinto) antes de se estabelecer no metrazol, uma substância química que estimula os sistemas circulatório e respiratório.

E embora ele afirmasse que o tratamento curou a maioria de seus pacientes, os oponentes argumentaram que o método era perigoso e mal compreendido.

Até hoje, ninguém sabe ao certo por que as convulsões podem ajudar a aliviar alguns sintomas esquizofrênicos, mas muitos cientistas acreditam que as convulsões liberam substâncias químicas que, de outra forma, faltam no cérebro dos pacientes.

No final das contas, os efeitos colaterais (incluindo ossos fraturados e perda de memória) afastaram médicos e pacientes.

 

Veja também:

Qual é o tipo de sangue mais raro do mundo?

Continue com: 10 tratamentos psiquiátricos absurdos da história

 

 

FRENOLOGIA

IMAGENS DE LIVROS DE ARQUIVO DA INTERNET, FLICKR, WIKIMEDIA COMMONS

Por volta da virada do século 19, o médico alemão Franz Gall desenvolveu a frenologia, uma prática baseada na ideia de que a personalidade das pessoas é representada nas saliências e depressões de seus crânios.

Basicamente, Gall acreditava que as partes do cérebro que uma pessoa usava com mais frequência ficariam maiores, como os músculos.

Consequentemente, essas áreas aumentadas ocupariam mais espaço no crânio, deixando saliências visíveis nesses locais em sua cabeça.

Gall então tentou determinar quais partes do crânio correspondiam a quais características.

Por exemplo, colisões nas orelhas significavam que você era destrutivo; uma crista no topo da cabeça indicava benevolência; e dobras grossas na nuca eram sinais seguros de uma personalidade sexualmente orientada.

No final, os frenologistas fizeram pouco para deixar sua marca no campo médico, já que não podiam tratar problemas de personalidade, apenas diagnosticá-los (e de forma imprecisa).

No início do século XX, a moda diminuiu e a neurociência moderna conquistou o domínio sobre o cérebro.

TERAPIA DA HISTERIA

Era uma vez, as mulheres que sofriam de praticamente qualquer tipo de doença mental eram consideradas vítimas de histeria.

O médico grego Hipócrates popularizou o termo, acreditando que a histeria abrangia condições que iam do nervosismo a desmaios e mudez espontânea. A causa raiz, de acordo com ele, foi um útero errante.

Então, para onde ele vagueia?

Curioso sobre a teoria de Hipócrates, Platão fez a si mesmo essa mesma pergunta.

Ele afirmou que, se o útero “permanecer infrutífero muito além do seu tempo apropriado, ele ficará descontente e zangado e vagueia em todas as direções do corpo, fecha as passagens da respiração e, ao obstruir a respiração, leva as mulheres às extremidades”.

Consequentemente, a cura para a histeria envolvia encontrar uma maneira de “acalmar” o útero.

E embora não houvesse escassez de métodos para fazer isso (incluindo segurar substâncias fedorentas sob o nariz da paciente para afastar o útero do peito), Platão acreditava que a única maneira infalível de resolver o problema era casar e ter filhos.

Afinal, o útero sempre ficava no lugar certo na hora de dar à luz.

Embora “calmante do útero” como tratamento psiquiátrico tenha morrido há muito tempo, a histeria como diagnóstico perdurou até o século 20, quando os médicos começaram a identificar condições como depressão, transtorno de estresse pós-traumático e fobias.

 

Veja também:

Vacinas: veja como funciona a produção

Continue com: 10 tratamentos psiquiátricos absurdos da história

 

LOBOTOMIA

10 tratamentos psiquiátricos absurdos da história

HARRIS A EWING, DOMÍNIO PÚBLICO, WIKIMEDIA COMMONS

Tratamento psiquiátrico preferido de todos, a lobotomia moderna foi ideia de António Egas Moniz, um médico português.

Moniz acreditava que as doenças mentais geralmente eram causadas por problemas nos neurônios do lobo frontal, a parte do cérebro logo atrás da testa.

Por isso, quando ouviu falar de um macaco cujos impulsos violentos de arremessar fezes foram controlados por cortes no lobo frontal, Moniz sentiu-se motivado a tentar a mesma coisa com alguns de seus pacientes. (O corte do lóbulo, não o lançamento de fezes.)

Ele acreditava que a técnica poderia curar a insanidade enquanto deixava o resto da função mental do paciente relativamente normal, e sua pesquisa (reconhecidamente confusa) parecia apoiar isso.

Os elogios inundaram, e (em um dos pontos mais baixos da história do Instituto Karolinska) Moniz recebeu o Prêmio Nobel em 1949.

Depois que a febre da lobotomia atingiu as costas americanas, o Dr. Walter Freeman começou a viajar pelo país em seu “lobotomóvel” (não, realmente), realizando a técnica em todos, desde esquizofrênicos catatônicos até donas de casa insatisfeitas.

Seu procedimento pronto para o uso envolvia inserir um pequeno picador de gelo no cérebro através da órbita do olho e mexer um pouco.

Enquanto alguns médicos pensavam que ele tinha encontrado uma maneira de salvar casos desesperadores dos horrores da institucionalização ao longo da vida, outros notaram que Freeman não se preocupava com técnicas estéreis, não tinha nenhum treinamento cirúrgico e tendia a ser um pouco impreciso ao descrever recuperação de seus pacientes.

À medida que o número de lobotomias aumentava, um grande problema tornou-se aparente: os pacientes não eram apenas calmos – eram zumbis virtuais que mal respondiam ao mundo ao seu redor.